25 anos da retirada soviética do Afeganistão - Soldados, desaparecidos na guerra - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sábado, 15 de fevereiro de 2014

25 anos da retirada soviética do Afeganistão - Soldados, desaparecidos na guerra

Nikolai Bystrov caiu prisioneiro e chegou a ser guarda-costas do comandante dos mujahids Ahmad Shah Massoud. Agora ele passa vários meses por ano no Afeganistão ajudando um comitê especial a buscar os antigos soldados soviéticos, desaparecidos naquela guerra. Nikolai Bystrov e Yuri Stepanov, que tinha retornado com a ajuda de Nikolai à pátria, relataram à Voz da Rússia as suas historias.

Nikkolai Bystrov nasceu em 1964 no território de Krasnodar. Na idade de 18 anos foi convocado para o serviço militar. Poucos meses depois foi feito prisioneiro no Afeganistão. Tentou fugir mas esta tentativa fracassou. Foi espancado cruelmente mas sobreviveu por um milagre e teve encontro com o comandante dos mujahids Ahmad Shah. Depois da segunda tentativa fracassada de fuga, resignou-se com o destino. Aprendeu a língua, aprendeu a viver entre os afeganes e converteu-se no islã. Dois anos mais tarde, quando se preparava a recuar, Massoud concedeu aos prisioneiros a possibilidade de retornar para a pátria. Mas Bystrov resolveu ficar:

“Massoud reuniu-nos todos, - um total de sete pessoas, - e disse: "Quem quer ir para estrangeiro? Quem quer ir de volta para a União Soviética? Ou para a América, para Inglaterra, Paquistão ou Irão?”. Mas naquela época todos temiam retornar para a pátria. Todos disseram: “Queremos ir para a América”. Mais um disse: “Quero ir para a França”. E somente eu não levantei a mão. Ele perguntou: "E você por que não levanta a mão?" - Respondi: 'Não quero ir a nenhum lugar'”.

Bystrov serviu durante muitos anos na guarda pessoal de Ahmad Shah. Não deixava entrar ninguém, sem revistar antes, no aposento do seu chefe: fossem jornalistas, dignitários ou, inclusive, amigos. Mais tarde casou com uma parenta longínqua do seu chefe. Agora eles têm dois filhos e filha e toda a família vive na Rússia. Bystrov retornou para a sua terra natal apenas onze anos depois.

Agora ele trabalha no Comitê Encarregado dos Assuntos dos Soldados – Internacionalistas e quase todos os anos passa vários meses no Afeganistão. Aí eles procuram os restos mortais dos soldados soviéticos, desaparecidos naquela guerra, e trazem-nos de volta, para a pátria:

“Quero encontrar todos os rapazes. Pois eu voltei vivo. Quero devolver os restos mortais aos pais, para que eles tenham paz espiritual sabendo que o filho voltou, embora não vivo, e pôde ser sepultado. Sei a gente do Afeganistão, conheço a sua mentalidade, os seus hábitos. Vou fazer isso enquanto eles colaboram comigo. Eles sempre falam comigo, não se recusam. Sabe, uma guerra não está terminada enquanto não está enterrado o último soldado. E eu quero pôr fim a esta guerra”.

Estas suas viagens para o Afeganistão ajudaram a trazer de volta para a Rússia também os soldados sobreviventes, que tinham caído prisioneiros mais ou menos no mesmo tempo que Bystrov. Um deles é Yuri Stepanov. Ele passou mais de vinte anos na prisão dos mujahids. Eis a sua recordação do retorno para a pátria:

“Mais tarde, quando obtivemos os passaportes afeganes, chegamos a Cabul e Nikolai explicou-nos, como era a situação na Rússia. Explicou que a Rússia era diferente e que era preciso ajudar o grupo de busca”.

Um quarto do século depois da conclusão da guerra, a busca de soldados desaparecidos continua. Nikolai Bystrov e os que trabalham com ele estão certos: é preciso esclarecer o destino de cada soldado, desaparecido no Afeganistão.

Texto/tradução: Voz da Rússia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here