sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Marinha Brasileira testa VANT IAI Heron para o SisGAAz

Sistema Aéreo Remotamente Pilotado, SARP, Heron, classificado como um Veículo Aéreo não Tripulado, VANT, pousado na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, BaeNSPA. Foto - DAerM

No período de 04NOV2013 a 14NOV2013, a Diretoria de Aeronáutica da Marinha (DAerM) coordenou o planejamento, junto ao Comando da Força Aeronaval, ao Departamento de Polícia Federal (DPF) e à Empresa Israel Aircraft Industries Ltd., da demonstração do Sistema Aéreo Remotamente Pilotado (SARP) Heron. Para a realização do evento, a DAerM teve significativo apoio da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia (BAeNSPA), com a cessão de suas instalações e a utilização do espaço aéreo sob seu controle. Também contribuiu para o desenvolvimento da demonstração, a assistência prestada pela Força Aérea Brasileira (FAB), particularmente daqueles órgãos ligados ao controle do espaço aéreo.


Sistema Aéreo Remotamente Pilotado (SARP) Heron, de Média Altitude e Longa Permanência, classificado como um VANT. Foto - DAerM

O SARP Heron é um Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT) de Média Altitude e Longa Permanência (MALE), classificado como um VANT Categoria 4, na Padronização estabelecida pelo Grupo de Trabalho (GT-8), coordenado pelo Ministério da Defesa. Nesta configuração, o Heron é capaz de realizar voos de até 18 horas de duração, possuindo um alcance efetivo do link de 1.000km, quando controlado via satélite e 250 Km, quando operando por linha de visada.

A utilização do SARP Heron poderá contribuir para o emprego efetivo e eficiente do Poder Naval, especialmente em missões de Vigilância e Controle de Tráfego Marítimo; Esclarecimento e Apoio às Operações de Patrulha Naval; e Busca e Salvamento (SAR).

Em virtude de sua elevada autonomia e capacidade de transmissão de dados por link, o emprego combinado do SARP Heron com os meios Navais, Aeronavais e de Fuzileiros Navais pode garantir a presença da Marinha do Brasil nas áreas estratégicas do Atlântico Sul e incrementar a capacidade de monitoramento e controle da superfície do mar a partir do espaço, cumprindo assim um dos objetivos estratégicos da Marinha previstos na Estratégia Nacional de Defesa e contribuindo para o sucesso da implementação do Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SisGAAz).

  DefesaNet

Nenhum comentário :

Postar um comentário