sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

EUA avisam Iraque contra consequências de comprar sistemas S-400 à Rússia

Ao comentar um possível acordo entre o Iraque e a Rússia sobre a compra do sistema de mísseis antiaéreos S-400, a representante oficial do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, avisou Bagdá e outros países contra as possíveis consequências de tal decisão.
Os sistemas de mísseis S-400


Ela tinha em vista a recente Lei de Contenção de Adversários da América Através de Sanções (CAATSA na sigla em inglês).

Antes, o chefe do Comitê do Conselho da Federação para a Defesa e Segurança, Viktor Bondarev, disse em entrevista à Sputnik que a Síria, o Iraque, o Sudão e o Egito são possíveis compradores do sistema russo S-400. Por sua vez, o embaixador da Rússia em Bagdá, Maksim Maksimov, declarou que a parte iraniana pode enviar pedidos de compra de armas de produção russa, entre as quais estarão, possivelmente, os S-400.

Segundo frisou Nauert, os EUA estão falando com países por todo o mundo, incluindo o Iraque, sobre o CAATSA e "sobre uma possível reação" às compras de armas russas. "Esclarecemos muitos países com quem trabalhamos. Não sei se este acordo de que falam já está assinado ou não", acrescentou Nauert.

Além disso, Heather Nauert sublinhou anteriormente que, nas avaliações de Washington, as sanções antirrussas no âmbito do CAATSA fizeram com que a indústria militar russa perdesse três bilhões de dólares (quase 10 bilhões de reais). No entanto, Viktor Bondarev opina que estes números são inventados, sem base real.

O cumprimento da CAATSA começou em 29 de janeiro de 2018. A lei fora assinada em agosto de 2017 pelo presidente dos EUA, Donald Trump e é dirigida contra a Rússia, o Irã e a Coreia do Norte. O Departamento de Estado norte-americano declarou que o documento será um fator de contenção para as empresas e pessoas físicas.

sputniknews

3 comentários :

  1. Aprecio a política de Trump, mas a petulância e a intransigência, caracterizada por integrantes de seu governo, com objetivo de ir claramente, contra a soberania fundamental que legitima os países; é uma postura cômica e lastimável. Não é que agora, fosse eu governante, compraria os S-400 para garantir proteção e mostrar quem é quem manda em meu território!

    ResponderExcluir
  2. pois é,imperialismo é assim mesmo...não existe competição natural nos negócios ,apenas exigências e ameaças(sansões e agressão militar) para que seus desejos sejam impostos.

    ResponderExcluir
  3. As bombas só são "boas" se forem abençoadas pelos EUA ... e há muitos Países, em vários Continentes que conhecem bem as bombinhas dos EUA. Trump aposta no prestígio, já conhecido, das "suas" bombinhas. Mas o Trump não faz por mal, Quanto melhor e mais eficazes forem as bombas, menos sofrem os que levam com as bombas nos cornos

    ResponderExcluir