quarta-feira, 26 de setembro de 2018

A Síria é uma causa perdida e a América deve seguir em frente

The National Interest

A América deve perceber que não tem papel militar a desempenhar no futuro da Síria.

O candidato Donald Trump parecia diferente de seus predecessores. Ele criticou a interminável guerra no Oriente Médio e queria que as forças dos EUA saíssem da Síria. Mas autoridades do governo dos EUA disseram recentemente que não têm pressa para sair da guerra civil síria e ameaçaram ataques militares caso o governo de Assad voltasse a usar armas químicas.

Por quê?


O conflito de sete anos está em seu final. Apoiado pelo poder aéreo russo e forças terrestres iranianas, o governo de Assad tem derrotado vários grupos rebeldes em todo o país. 

Damasco agora está segura, com os rebeldes finalmente expulsos dos subúrbios próximos. Alguns bairros em Homs e Aleppo estão em ruínas, mas os combates cessaram. O governo está firme no controle sobre a maior parte do país.

Apenas a província de Idlib permanece sob controle insurgente, e as forças do presidente Bashar al-Assad estão preparando o que pode ser a ofensiva final. A região está repleta de refugiados, provocando temores de um desastre humanitário. Mas com a ajuda do Irã e da Rússia, Damasco quase certamente restabelecerá seu controle, destruindo ou deslocando as forças rebeldes que hoje são na maioria radicais islâmicos. Nesse ponto, apenas territórios no norte e sudeste - que têm bases dos EUA - estão fora do controle do governo de Assad.

A política dos EUA tem sido contraproducente, até mesmo irracional, durante o longo conflito. O governo Obama originalmente rotulou Assad como “reformador”. Em seguida, Washington exigiu sua saída - reduzindo o incentivo para que ele e a oposição negociassem. À medida que o conflito se desenvolvia, os Estados Unidos iniciavam operações de combate contra o Estado Islâmico enquanto pressionavam para derrubar Assad, que trabalhava com as forças mais fortes que se opunham ao ISIS. A ajuda americana foi então para os chamados moderados, mesmo quando eles ficaram para trás de grupos mais radicais, freqüentemente se rendendo ao último.

Ao atacar o ISIS, Washington apoiou islamistas como Jabhat al-Nusra, uma afiliada da Al Qaeda. Washington também procurou trabalhar com o governo Erdogan da Turquia, mesmo quando este último facilitou as operações do Estado Islâmico na Síria. Os EUA se voltaram para as forças curdas para liderar o ataque terrestre ao Estado Islâmico, mas se recusaram a defender seus aliados quando Ancara interveio militarmente para expulsar curdos de suas casas perto da fronteira entre a Turquia e a Síria. Além disso, Washington encorajou o envolvimento dos Estados do Golfo, que apoiaram as facções rebeldes mais radicais. Embora nominalmente ordenados contra o EI, os aliados de Washington em grande parte mudaram suas forças armadas para longe da prioridade dos EUA de combater o Estado Islâmico para o Iêmen.

Embora evitando envolvimento direto no conflito da Síria, os Estados Unidos lançaram ataques com mísseis em resposta ao alegado uso sírio de armas químicas. No entanto, a grande maioria das baixas do conflito - com mortes estimadas em cerca de meio milhão - foi o resultado da ação militar convencional de todos os lados. Bombas e balas matavam muito mais pessoas do que armas químicas. Washington, no entanto, preencheu moralmente enquanto os sírios ainda morriam em números cada vez maiores.

Finalmente, o governo Obama aumentou de forma constante o envolvimento dos EUA na Síria, um conflito distante sem impacto significativo sobre a segurança americana, mas ao mesmo tempo denunciando tanto o Irã quanto a Rússia por intervirem em apoio a seus interesses muito maiores. O governo introduziu forças dos EUA sem autorização do Congresso, enquanto Teerã e Moscou, ambos aliados de Damasco, responderam ao pedido de apoio do governo Assad.

No geral, a política dos EUA não foi apenas um fracasso, mas um desastre. Washington conseguiu fazer pouco mais do que aumentar as expectativas entre os oponentes de Assad, prolongando a guerra e aumentando o seu preço. A ajuda americana fortaleceu os jihadistas radicais, que representam um desafio muito maior para a América do que Damasco. O foco de Washington no ISIS permitiu que os governos mais ameaçados - Síria, Turquia e Estados do Golfo - se concentrassem em outros inimigos (insurgentes “moderados”, curdos e iemenitas, respectivamente).

Finalmente, Washington reforçou sua merecida reputação de não apenas descuidado, mas irresponsável em atacar países sem considerar o que provavelmente seguiria. Assad é um líder tribal com forte apoio, especialmente das minorias sírias que viram as conseqüências da invasão do Iraque pelos EUA e não queriam uma repetição. Um alauita me disse que as divergências com Assad terminaram quando a luta começou. A última foi a única defesa contra o "caos e a selva". Os oficiais de Washington podem ver essa atitude como míope. Mas em algum lugar entre duzentos mil e um milhão de pessoas morreram na guerra sectária desencadeada pela invasão do Iraque pelos EUA. Por que alguém confiaria na América?

É esse registro que o candidato Trump compreensivelmente criticou por um bom motivo.

Mas a política do presidente Trump na Síria se transformou na de seu antecessor. Embora Washington tenha desistido de apoiar insurgentes, não resta muito para ajudar. O Estado Islâmico é amplamente derrotado, mas os Estados Unidos não estão dispostos a transferir a responsabilidade de volta ao Iraque, Síria, Turquia, Jordânia e Estados do Golfo, que têm interesse em erradicar os elementos finais do Estado Islâmico. Com a ofensiva de Idlib prestes a começar, a administração Trump está ameaçando a ação militar se, mas apenas se, o governo de Assad usar armas químicas, um fator menor no conflito.

Pior ainda, o governo aparentemente pretende reforçar a presença dos EUA no sudeste, perto da fronteira iraquiana, para pressionar as linhas de fornecimento iranianas. E Washington espera que as forças americanas que cooperam com as milícias curdas no norte possam inibir o acesso iraniano ao resto da Síria e forçar a saída de Assad, negando ao regime acesso a pessoas e recursos, especialmente depósitos de petróleo.

Essas operações são ilegais sob as leis dos EUA e internacionais. O Congresso nunca autorizou uma invasão americana da Síria para derrubar seu governo legalmente legítimo (embora hostil[?]). Tampouco qualquer ação foi autorizada a impedir a operação de uma aliança entre Damasco e outros governos legalmente legítimos, inclusive o Irã.

Nem é óbvio por que Washington deveria querer fazê-lo. A Síria não ameaça os Estados Unidos, ou Israel, que é mais do que capaz de dissuadir Damasco. Governos autoritários brutais são desagradáveis, mas comuns no Oriente Médio. Além disso, eles são freqüentemente aliados da América (pense no Egito, Bahrein, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Turquia). O Irã é um ator maligno, mas está sobrecarregado e sua aliança com a Síria é defensiva. Muito mais agressivo e perigoso é o "amigo" de Washington, a Arábia Saudita, que invadiu o vizinho Iêmen. A Arábia Saudita usou suas tropas para sustentar uma ditadura real das minorias no Bahrein, fundou radicais antiocidentais na Síria e seqüestrou o primeiro-ministro libanês.

Em qualquer caso, é difícil imaginar como a administração pode ter sucesso. Ao visitar a Síria no final de agosto, viajei muito, inclusive para Homs e Aleppo. O processo de reconstrução será dolorosamente lento, mas a guerra nessas cidades acabou. O regime de Assad está no controle firme. Ele não vai embora porque Washington quer que ele saia.

Tampouco há qualquer chance de Moscou derrubar seu aliado. A Rússia pagou pesadamente para sustentar o governo de Assad; Putin não arriscará seus ganhos para agradar os Estados Unidos, sem uma oferta improvável de grande valor, como a suspensão de sanções. Além disso, há pouco que Moscou possa fazer para coagir a Síria, além de suspender o apoio a operações militares - mas isso não forçará a saída de Assad.

Os russos têm ainda menos influência sobre o Irã, que está na Síria a convite do governo de Assad. Nem os curdos, efetivamente abandonados por Washington quando foram atacados pela Turquia, provavelmente farão o trabalho sujo da administração Trump. Eles são muito mais propensos a fazer um acordo com Damasco.

A América, com muito pouco em jogo na Síria, quer ditar o futuro da Síria e limitar ou excluir países com interesses muito maiores em jogo do que os Estados Unidos. Os políticos de Washington estão sonhando. Mesmo que seus objetivos fossem realistas, o ganho não valeria o esforço. Tanto a administração Obama quanto a Trump estavam vivendo em um mundo de fantasia quando se tratava da Síria.

No entanto, o maior risco do envolvimento americano é a possibilidade de desencadear um confronto militar. Por exemplo, ao atacar os aliados curdos de Washington, a Turquia ameaçou avançar em áreas que continham pessoal americano. Além disso, se Washington ordenar ataques a unidades militares sírias por qualquer motivo, a Rússia poderia responder defendendo seu aliado ou alvejando os amigos regionais dos Estados Unidos. Como um estado soberano, Damasco pode estar disposto a arriscar um confronto para reafirmar seu controle. O Irã também pode estar disposto a jogar um perigoso jogo de galinha. O maior perigo provavelmente não é uma guerra intencional, mas um acidente e um erro de cálculo. Dada a escassez de sérios interesses americanos em jogo na Síria, Washington estaria arriscando muito por pouco.

A Síria estava sempre além do controle dos EUA. É claro que os fãs de intervenção afirmam que, se ao menos os Estados Unidos tivessem feito algo anterior - criticado alguém, apoiado alguém ou atacado alguém - a guerra civil teria terminado e uma Síria pró-ocidental democrática teria surgido. Isso lembra uma das esperanças condenadas de Ronald Reagan ao intervir na amarga, horrenda e confusa guerra civil do Líbano. Também ecoa a moleza prometida pelos proponentes da invasão do Iraque. Mas há muitos atores contrários com muitos interesses envolvidos para que Washington faça o que quer.

O que quer que os Estados Unidos esperassem em 2011 e 2012, esse mundo desapareceu há muito tempo. Hoje a administração Trump parece desesperada. Não tem influência nem influência para mudar a Síria e só espera afetar os eventos ao arriscar um confronto militar com múltiplos poderes hostis sobre participações mínimas. O candidato Donald Trump nunca teria concordado com tal política. O presidente Donald Trump precisa lembrar por que ele concorreu à presidência.

russia-insider

Nenhum comentário :

Postar um comentário