quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Hilário. Delirante Sanções dos EUA sobre militares chineses por comprar S-400 e Su-35s

Qual é o propósito disso? A China deveria comprar hardware americano (nunca seria concedida uma licença) agora?

As sanções significam que as forças armadas chinesas não podem mais pagar por suas importações de armas em dólares, o que irá agradar aos apoiadores do yuan.

Faz apenas duas semanas que a China se juntou à Rússia nos  jogos de guerra "Vostok",  a maior exibição de poder militar eurasiano desde 1981, quando a União Soviética ainda era uma superpotência global, e os EUA já encontraram uma abertura para tentar conduzir uma divisão entre a China e a Rússia, ou pelo menos expressar o seu descontentamento com o seu relacionamento cada vez mais próximo.

Em meio a uma disputa comercial entre os EUA e a China,  os EUA impuseram sanções a um ramo dos militares chineses em retaliação à compra recente de aviões de combate russos e mísseis antiaéreos.

As sanções são mais um incômodo do que qualquer outra coisa, impedindo que o Departamento de Desenvolvimento de Equipamentos da China participe do sistema financeiro baseado no dólar e de fazer negócios com empresas dos EUA, enquanto bloqueia a agência e seu chefe, Li Shangfu.

Como a Reuters  acrescenta, o Departamento de Estado dos EUA disse que iria imediatamente impor sanções ao Departamento da China de Equipamento de Desenvolvimento (EDD), o ramo militar responsável por armas e equipamentos, e seu diretor, Li Shangfu, por se engajar em "transações significativas" com a Rosoboronexport Rússia que é a principal exportadora de armas russas.
As sanções estão relacionadas com a compra pela China de 10 aeronaves de combate SU-35 em 2017 e equipamentos relacionados ao sistema de mísseis superfície-ar S-400 em 2018, informou o Departamento de Estado. Eles impedem que a agência chinesa, e Li, solicitem licenças de exportação e participem do sistema financeiro dos EUA.
Também os adiciona à lista do Departamento do Tesouro de indivíduos especialmente designados com os quais os americanos são impedidos de fazer negócios.
Os EUA também colocaram na lista negra outras 33 pessoas e entidades associadas às forças armadas e à inteligência russas,  acrescentando-as a uma lista de acordo com a lei de 2017, conhecida como Adversaries Against Sanctions Act, ou CAATSA.
Como se poderia esperar, as sanções provocaram uma resposta indignada da China, que exigiu que os EUA corrigissem seu "erro" imediatamente ou enfrentassem "conseqüências", por  RT .

Pequim ameaçou que Washington enfrentará "consequências" se não retirar o recente lote de sanções contra a China por causa da cooperação militar com a Rússia.
O Ministério das Relações Exteriores da China não mediu as palavras, dizendo que Washington deveria corrigir imediatamente seus "erros" antes que seja tarde demais.
A China, previsivelmente, ficou furiosa, com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, dizendo a repórteres em Pequim que o movimento prejudicou seriamente as relações bilaterais e os laços militares.
"A China manifesta forte indignação por essas ações irracionais do lado dos EUA e já apresentou representações severas".

"Pedimos veementemente ao lado americano que corrija imediatamente o erro e rescinda as chamadas sanções, caso contrário,o lado norte-americano necessariamente assumirá a responsabilidade pelas conseqüências", disse ele, sem dar detalhes.

Geng também insistiu que as compras eram parte das trocas militares "normais" entre a Rússia e a China - pressionando contra os EUA à medida que busca ditar os termos do comércio global entre dois rivais geopolíticos.

A China tem trocas militares "normais" e cooperação com a Rússia, com o objetivo de proteger a paz e a estabilidade na região, o que não é contra o direito internacional nem para qualquer terceiro, acrescentou Geng.
A China continuará trabalhando com a Rússia para promover a cooperação estratégica em um nível ainda mais alto, disse ele.
Mas, apesar de toda a indignação da China, uma autoridade anônima dos EUA disse à  Reuters  que as sanções são direcionadas a Moscou, não a Pequim.

Um funcionário do governo dos EUA, que informou os repórteres sob condição de anonimato, disse que as sanções impostas à agência chinesa estavam voltadas para Moscou, e não para Pequim ou seus militares, apesar da escalada da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.
"O alvo final dessas sanções é a Rússia. As sanções da CAATSA neste contexto não pretendem prejudicar as capacidades de defesa de nenhum país em particular", disse a autoridade a repórteres em uma teleconferência.
"Eles visam impor custos à Rússia em resposta a suas atividades malignas", disse  a autoridade.
Enquanto isso, um analista disse que as sanções pouco serviriam para impedir a expansão militar da China, já que Pequim só confia na Rússia para "tapar buracos" em suas ofertas militares.

Collin Koh, analista de segurança da Escola de Estudos Internacionais S Rajaratnam, de Cingapura, disse que as sanções pouco serviriam para combater a crescente relação entre pesquisa e desenvolvimento entre a China e a Rússia.
Um legislador russo insistiu que as sansões teriam "impacto zero" nas vendas de armas russas.

Em Moscou, o parlamentar russo Franz Klintsevich disse que as sanções não afetariam os acordos do S-400 e do SU-35.
"Tenho certeza de que esses contratos serão executados de acordo com o cronograma", disse Klintsevich à agência de notícias russa Interfax. "A posse deste equipamento militar é muito importante para a China."
Analistas de segurança na Ásia disseram que a medida foi em grande parte simbólica e apenas aproximaria Moscou e Pequim.
"A imposição das sanções dos Estados Unidos terá impacto zero nas vendas de armas russas à China", disse Ian Storey, do ISEAS Yusof Ishak Institute de Cingapura.
Em vez de desencorajar o relacionamento comercial, as sanções só vão pressionar a Rússia e Pequim a se aproximarem.

"Ambos os países se opõem ao que eles veem como bullying dos EUA e esse tipo de ação apenas aproximaria Pequim e Moscou" , disse ele, acrescentando que Moscou precisava de dinheiro chinês e Pequim queria tecnologia militar avançada.
Os EUA já tomaram medidas para sancionar as forças armadas da China: por exemplo, sob o presidente Barack Obama, o Departamento de Justiça dos EUA indiciou vários agentes da inteligência militar por invadir as redes de empresas americanas.  O presidente Trump emitiu as sanções na quinta-feira,  pouco depois de a China anunciar que cortaria as taxas de importação de produtos estrangeiros (exceto para os EUA). Mas além da guerra comercial e das crescentes tensões geopolíticas entre os EUA e a Rússia, o subtexto da decisão de Trump é claro: se você vai comprar armas, comprá-las de um empreiteiro de defesa dos EUA ou enfrentar as consequências. No entanto, temos certeza de que a grande mídia ignorará essa história, uma vez que se choca com a narrativa de que o presidente Trump é apenas um "peão" do presidente russo, Vladimir Putin.

Fonte: Zero Hedge

Nenhum comentário :

Postar um comentário