sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Obrigado Mãe Rússia, Por Colocar Israel Em Seu Lugar

Nos últimos anos, Israel tornou-se mais "fora de controle" do que o habitual, "patrulhando" o espaço aéreo libanês e bombardeando o território da Síria, escreve o correspondente mais antigo do diário do país Haaretz,Gideon Levy.
Resultado de imagem para s-300 cartoon
A Rússia, que após o incidente com a IL-20 decidiu enviar os complexos S-300 para a Síria, conseguiu "conter" Israel, mostrando o escopo do que é permitido, acredita o jornalista.


“Um raio de esperança irrompe de trás das nuvens: alguém define a estrutura do que é permissível para Israel. Pela primeira vez em muitos anos, outro estado deixa claro para Israel que sua influência tem limites, que é anormal fazer tudo de que gosta, que não está sozinho envolvido no jogo, que os Estados Unidos nem sempre podem cobri-lo e que não pode prejudicar/atacar infinitamente ”, escreve Levy.
Enquanto o Hezbollah derrotou Israel há 12 anos em um grande conflito sobre o Líbano, e também mostrou onde estão suas fronteiras e limitações, a Rússia é o primeiro ator estatal a fazê-lo como um estado em muitas décadas. 

Segundo o jornalista, Israel precisa de restrições como uma zona de exclusão aérea. Nos últimos anos, a "arrogância" e a situação geopolítica geral permitiram que o país "saísse do controle".

Aeronaves israelenses poderiam patrulhar o espaço aéreo libanês como se fosse seu, e bombardearam a Síria inúmeras vezes, sem nenhuma razão coerente permissível dentro das leis internacionais. Suas tropas também periodicamente destroem Gaza, seus abusos contra os palestinos só aumentaram apesar da crescente pressão internacional e desgosto generalizado com os crimes do chamado "Estado judeu", que mantém a Palestina em cativeiro em um "cerco infinito" e continua a "ocupar A margem oeste do rio Jordão. Levy diz;
"De repente, alguém se levantou e disse:" Bem, pare com isso. Pelo menos na Síria, já é o suficiente. "Obrigado, Mãe Rússia, por limitar a criança, que não está pacificada há muito tempo"
Segundo ele, a resposta russa causou “estupor” em Israel, que só mostrou o quanto o país precisa de um “adulto responsável que possa coibi-lo”. Afinal, durante décadas, Israel não se deparou com um “fenômeno tão estranho”.

Na primavera, a Bloomberg citou autoridades israelenses antigas e atuais que ameaçavam que a força aérea do país bombardearia o S-300 se a Rússia fornecesse os complexos para a Síria. Mas agora as vozes daqueles que falaram com “bravatas vazias”, se acalmaram, observa Levy.

Na opinião do jornalista, qualquer estado tem o direito de possuir uma defesa aérea, incluindo a Síria, e ninguém deve privá-lo dessa oportunidade pela força. Mas essa simples verdade soa às autoridades israelenses como algo "irreal".

Eles costumavam considerar a soberania de outros países como "sem sentido" e a sua própria - "sagrada" e "mais alta".

Eles “interferiram com impunidade” nos assuntos da região, escondendo-se por trás de medos reais ou fictícios sobre a segurança nacional. Mas tudo isso inesperadamente encontrou o 'NÃO' russo, que trouxe Israel de volta à realidade.

Isso aconteceu muito oportunamente. Quando Israel "estava no sétimo céu com felicidade" porque os Estados Unidos transferiram a embaixada para Jerusalém e reduziram o financiamento para a UNRWA (Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos no Oriente Próximo), Moscou emitiu o alerta.

Talvez isso ao menos equilibre um pouco a “intoxicação com o poder” que tomou conta do país nos últimos anos e começará a faze-lo “crescer de forma inteligente e se recuperar”.

Além disso, a Rússia pode, inadvertidamente, revelar-se “melhor para Israel por causa de todo esse apoio corrupto e insano que recebe da atual administração dos EUA e de seus antecessores”, argumenta Levy. Ele continua dizendo:
“A Rússia demonstrou ao mundo uma maneira de lidar com Israel, usando apenas a linguagem que entende. Que aqueles que realmente se importam com o bem-estar de Israel e da justiça aprendam como é feito: somente com o uso da força ”.
Segundo o jornalista, somente quando Israel é punido e forçado a prestar contas de suas ações, ele age corretamente. Sua Força Aérea vai pensar muito antes de iniciar outro bombardeio na Síria, "a importância de que, se existe, não é clara".

Gideon Levy conclui;

“Se tal 'nyet'(não) russo pairasse sobre os céus de Gaza, muitas mortes e destruição inúteis teriam sido evitadas. Se as forças internacionais rejeitarem a ocupação israelense, isso terminaria há muito tempo.

Em vez disso, temos Donald Trump em Washington e lamentáveis ​​condenações da UE por causa do despejo de moradores de Khan al-Ahmar ”

fort russ

Um comentário :

  1. MESMO QUE OS SÍRIOS RECEBAM OS SISTEMAS ANTIAÉREOS S-300, ISRAEL CONTINUARÁ ATACANDO A REGIÃO.

    A defesa efetiva do território sírio, a onde está presente às forças antiterrorismo da Rússia, Síria e do Irã não dependem exclusivamente de sistemas antiaéreos de modelos A ou B, pois a questão principal é inerente à mudança de postura dos russos em impedir que Israel ataque a região. Tanto é verdade que na base aérea de Hmeymim as forças russas têm o sistema S-400, que não impediu a tragédia com o IL-20.

    A força antiaérea síria já vem se defendendo contra os ataques de Israel, porém de maneira ineficiente, frente ao poder bélico israelense. Os ataques israelenses são mais efetivos em função da conivência das forças russas ao não compartilharem informações antecipadas com os sírios. A insistência de Vladimir Putin em manter uma “parceria” com o primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu é o fator principal que deixou vulnerável o espaço aéreo da região e ocasionou a tragédia com o IL-20.

    A única explicação plausível na omissão dos russos em permitir Israel de atuar de forma livre e impune no território sírio, deixando as próprias forças vulneráveis, poderia ser também em função de evitar colocar plenamente à prova seus sistemas antiaéreos. Israel e o Ocidente poderiam ter a certeza de que a Rússia é vulnerável a ataques aéreos e é na Síria que esta preocupação é colocado a prova.

    É impraticável a tentativa de Vladimir Putin em manter qualquer parceria com os israelense, pois os planos desses dois países são completamente antagônicos no Oriente Médio.

    Moscou será obrigado a mudar a estratégia na Síria, pois com a chegada de corpos de soldados na Rússia, começa a colocar em cheque essa “parceira” de Putin e Netanyahu. Vladimir Putin está sendo obrigado a rever seu posicionalmente em relação aos israelenses para não ser massacrado pela opinião pública em seu país.

    ResponderExcluir