quinta-feira, 27 de setembro de 2018

UE, Rússia e China revelam novo sistema para contornar as sanções dos EUA contra o Irã

Jason Ditz

Dólar todo-poderoso? Não muito

Na segunda-feira, a diretora de política externa da União Européia, Federica Mogherini,  revelou que um plano para garantir o comércio  com o Irã pode continuar apesar das ameaças dos EUA. Este plano foi  discutido  pela UE antes, mas agora também inclui China e Rússia, as outras potências do acordo nuclear do Irã.

O acordo fará com que a União Europeia estabeleça formalmente uma câmara de compensação que atuará como uma entidade legal especificamente para lidar com todo o comércio do Irã entre todas as empresas das nações envolvidas. Isso permitirá que todos contornem os bancos ao negociar com o Irã.

O modelo de câmara de compensação significa, por exemplo, que uma empresa poderia importar petróleo e gás iranianos, enquanto uma segunda empresa poderia ser contratada pelo Irã para melhorias de infraestrutura. Em vez de trocar dinheiro com o Irã, uma empresa pagaria o que deve ao Irã à câmara de compensação, que pagaria as outras empresas às quais o Irã deve dinheiro.

Um modelo comparável presumivelmente teria que ser estabelecido no Irã para lidar com diferentes empresas e agências governamentais dentro do Irã exportando e importando mercadorias. Como essas são quase todas empresas estatais, isso provavelmente será mais simples no lado iraniano.
A chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, juntamente com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif

Embora a União Europeia já tenha promulgado leis que prometem proteger todas as empresas privadas que negociam com o Irã, vários bancos da UE se recusaram a facilitar esse comércio, porque os EUA estão ameaçando cortar esses bancos do mercado norte-americano.

A incapacidade de colocar os bancos a bordo significava que muitas empresas europeias estão se afastando dos negócios, temendo que nunca fossem pagas. Este novo plano destina-se a resolver essa preocupação, mas ainda não se sabe se isso levará a uma rápida reviravolta para as empresas europeias que retornam ao Irã. A adesão da China e da Rússia provavelmente dará mais credibilidade a essa câmara de compensação, uma vez que nenhum desses países realmente parou de negociar com o Irã.
Enquanto isso, Bershidsky conclui: "A confiança de Trump em sua capacidade de utilizar o dólar contra adversários e aliados teimosos pode acabar saindo pela culatra para os EUA, enquanto os esforços para empurrar o dólar de seu pedestal ficam cada vez mais sérios".

Fonte: Antiwar.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário