segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Com 189 pessoas a bordo, avião cai no mar na Indonésia (FOTOS).Analista aponta possíveis causas da catástrofe

Na noite deste domingo (28), a Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia afirmou que o avião de passageiros Boeing 737 MAX 8 perdeu contato com os controladores de voo apenas 13 minutos após a decolagem. Havia 189 pessoas a bordo do avião.
Boeing 737/8 of Lion Air at Singapore Changi-SIN,13/10/14.(Archive)
A agência Reuters informou que o porta-voz da agência de resgate da Indonésia, Yusuf Latif, confirmou que o avião caiu. O voo era operado pela companhia Lion Air, que faz parte de grupo de empresas de preços baratos, também conhecidas como "low cost". 


Segundo o jornal Strait Times, o Boeing 737 estava indo à cidade de Pangkai Pinang, localizada na ilha de Bangka, na própria Indonésia. O avião perdeu contato com a torre de controle local às 20h33, no horário de Brasília.



We're following reports that contact has been lost with Lion Air flight shortly after takeoff from Jakarta.

ADS-B data from the flight is available at https://www.flightradar24.com/data/flights/jt610#1e5ff318 

O avião aparentemente caiu no mar não muito longe da costa da Indonésia. Ele estaria a uma altura de 1,112 km quando perdeu contato com a torre de controle.
Houve testemunhas do acidente, segundo equipes de resgate. Alguns tripulantes de um navio rebocador, que estava no mar no momento do acidente, teriam visto a queda do avião. Outras duas embarcações, um navio cargueiro e um petroleiro estão indo em direção ao local do acidente junto com um barco de resgate.


The flight was operated by Boeing 737 MAX 8 registration PK-LQP. The aircraft was delivered to Lion Air in August of this year. It is powered by two CFM LEAP-1B engines. https://www.flightradar24.com/data/aircraft/pk-lqp#1e5ff318 

Segundo o Jakarta Post, foram encontrados destroços do avião e vários fragmentos de cadáveres.

Ver imagem no TwitterVer imagem no TwitterVer imagem no TwitterVer imagem no Twitter


Straits Times que o avião tinha problemas de caráter técnico após um voo realizado na véspera do acidente, mas estes foram concertados. 
"O avião estava em condição apropriada para voo. Houve uma falha técnica, que foi relatada depois do voo de Dempassar a Jacarta na véspera, e o problema foi resolvido, o avião recebeu permissão para voo por um engenheiro certificado", afirmou.
Mais tarde, o tanque de combustível do avião explodido foi encontrado no local do acidente, comunicou à Sputnik um representante da Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia.
sputniknews

Analista aponta possíveis causas da catástrofe aérea na Indonésia

Um membro da equipe de resgate mostra o local da queda do avião do voo JT 610 da companhia aérea Lion Air, Indonésia, 29 de outubro de 2018
A indicação incorreta da velocidade nos instrumentos devido ao bloqueio dos receptores de pressão atmosférica poderia ter provocado a catástrofe do Boeing 737 da companhia aérea Lion Air na Indonésia, opina o especialista em aviação Viktor Galenko.
avião, que efetuava um voo de Jacarta à ilha de Sumatra, decolou do Aeroporto Internacional às 6h20 do horário local (20h20, horário de Brasília) e desapareceu dos radares às 6h33 (20h33, horário de Brasília).
Em seu comunicado a empresa aérea informou que havia 181 passageiros a bordo, dois pilotos e seis outros membros da tripulação. Até o momento, a equipe de resgate encontrou seis corpos de passageiros perto da costa indonésia, relatou à Sputnik o representante da Agência Nacional de Busca e Resgate nesta segunda-feira (29).
"De acordo com os dados ADS-B [tecnologia de vigilância cooperativa para rastreamento de aviões e recebimento de informações aeronáuticas], a tripulação reportou uma 'velocidade de voo não confiável'. Realmente, segundo o sistema, durante cinco minutos e a uma altitude de 1,5 mil metros a velocidade da aeronave mudou continuamente na faixa entre 555 quilômetros por hora e 611 quilômetros por hora", disse Galenko.
Segundo o analista, o voo anterior da aeronave (JT043) demonstrou valores instáveis semelhantes em altitude e velocidade depois da decolagem.
"Conforme o diário técnico deste voo, publicado no site da Aviation Safety Network [registro de acidente e incidentes aéreos de aeronaves], os valores se estabilizaram oito minutos depois. Observa-se que a 'velocidade de voo não é confiável e não corresponde aos indicadores após a decolagem", acrescentou.
Na opinião dele, a versão sobre congelamento dos receptores de pressão atmosférica pode ser descartada, uma vez que a temperatura a essa altitude de voo era positiva.
"Resta a versão sobre um bloqueio mecânico dos tubos de Pitot [instrumento de medição de velocidade] como resultado da entrada de insetos ou animais pequenos durante o último período de estacionamento da aeronave", explicou o analista.
No entanto, Galenko salientou que essa falha não é crítica, porque outros dispositivos indicadores da velocidade, como o GPS, permitem pilotar o avião de forma bastante segura.
"Infelizmente, em condições de uma tripulação composta de dois membros, tais situações causam conflito entre o comandante e o copiloto quanto à adoção de uma única decisão correta e articulada. Provavelmente, essa foi a principal premissa para a catástrofe", acrescentou o analista, destacando que este acidente aéreo é o maior em número de vítimas desde 2015.

Nenhum comentário :

Postar um comentário