domingo, 28 de outubro de 2018

GEÓRGIA E UCRÂNIA NA ALIANÇA MILITAR EM EXPANSÃO: CUTUCANDO O URSO RUSSO COM O GUARDA-CHUVA DA OTAN.

Nossos parceiros da Europa Ocidental pensaram que era uma má ideia, e fazem agora. Por que não estamos ouvindo?

Algumas idéias terríveis de política externa parecem ter vida eterna. Um exemplo é a proposta de expandir a OTAN mais uma vez, oferecendo adesão à Geórgia e à Ucrânia. Essa campanha já dura mais de uma década e é um fator significativo na deterioração das relações do Ocidente com a Rússia.

O governo de George W. Bush aparentemente decidiu que os Estados Unidos e seus aliados europeus não haviam provocado a Rússia suficientemente com as duas primeiras rodadas de expansão da Otan. 


Líderes americanos adotaram essa atitude, embora a segunda rodada de 2004 tenha acrescentado as três repúblicas bálticas, que faziam parte da extinta União Soviética. A administração agora se esforçou para garantir que a Ucrânia e a Geórgia recebessem convites para a filiação.


Os principais aliados europeus de Washington começaram a se recusar, no entanto. A França, a Alemanha e a maioria dos outros parceiros de longa data de Washington não estavam dispostos a dar esse passo quando Bush propôs formalmente o primeiro estágio do processo de admissão, um Plano de Ação para Membros (MAP), para ambos os países, na cúpula da OTAN em abril de 2008. em Bucareste, Romênia. A secretária de Estado, Condoleezza Rice, lembrou que a chanceler alemã Angela Merkel foi especialmente negativa. Merkel “não confiava nos georgianos, que ela ainda considerava corruptos”. O líder alemão também observou que a coalizão governista da Ucrânia “estava uma bagunça”. Embora a principal razão para a relutância da Europa Ocidental fosse a situação política e econômica doméstica insatisfatória em ambos os países também havia um certo desconforto de que outro estágio da expansão da OTAN danificaria as já delicadas relações com a Rússia.

Apesar da resistência da aliança contra a campanha do governo Bush de oferecer MAPs para Kiev e Tbilisi, o resultado da cúpula de Bucareste não foi uma derrota total para as ambições americanas. A declaração final da cimeira afirmava que “a OTAN saúda as aspirações da Ucrânia e da Geórgia do Atlântico para se tornar membro da OTAN. Nós concordamos hoje que esses países se tornarão membros da OTAN”. Não havia cronograma, mas o resultado final parecia claro.

A raiva do Kremlin ameaçou transbordar neste momento, e o recuo de Moscou começou. Mesmo antes da emissão da declaração final, Vladimir Putin avisou abertamente aos participantes da cimeira que

“O surgimento de um poderoso bloco militar nas nossas fronteiras será visto como uma ameaça direta à segurança russa”.
O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros do país, Alexander Grushko, afirmou que a adesão da OTAN à Geórgia e à Ucrânia seria “um enorme erro estratégico”, causando as “mais graves consequências” para a paz e a segurança europeias.

A Alemanha, a França e outros importantes aliados europeus ficaram ainda mais cautelosos ao provocar o Kremlin quando a guerra estourou entre a Geórgia e a Rússia em agosto de 2008. As primeiras condenações à “agressão russa” desapareceram quando surgiram evidências de que Tbilisi havia iniciado a fase militar da crise. A relutância da “Velha Europa” (rótulo de menosprezo do secretário de defesa Donald Rumsfeld) em oferecer a participação da OTAN à Geórgia e à Ucrânia diminuiu pouco desde então. Isso é especialmente verdade desde o início da crise na Ucrânia em 2014

A França tem sido inflexível em sua oposição. O então presidente francês, François Hollande, disse em uma entrevista coletiva em Paris, em 5 de fevereiro de 2015, que a adesão da Ucrânia à OTAN seria “indesejável” para a França.

“Devemos dizer claramente, devemos dizer a verdade a outros países, inclusive sobre o que não estamos dispostos a aceitar. Esta é a posição da França.
Hollande reiterou esses sentimentos na cúpula da OTAN em Varsóvia, na Polônia, no ano seguinte:

“A OTAN não tem qualquer papel em dizer quais deveriam ser as relações da Europa com a Rússia. Para a França, a Rússia não é um adversário, não uma ameaça ”.
O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, dificilmente foi mais receptivo a tornar a Ucrânia um membro da OTAN, afirmando:

“Eu vejo uma relação de parceria entre a Ucrânia e a OTAN, mas não a adesão”.
Wolfgang Ischinger, presidente da Conferência de Segurança de Munique e membro do Conselho da Conferência Europeia de Estratégia de Yalta, concluiu em setembro de 2017:

“Não vejo qualquer possibilidade no horizonte para que todos os membros da OTAN votem a favor da adesão da Ucrânia. Não há chance de isso acontecer enquanto houver tiros na Ucrânia. O principal problema é o conflito, que levará muitos membros da OTAN a dizer: se aceitarmos a Ucrânia, herdamos esses problemas com a Rússia”.
Infelizmente, a determinação de Washington em ver a Geórgia e a Ucrânia admitidas na OTAN não diminuiu ao longo dos anos. Mesmo a persistência de tensões severas entre a Rússia e a Ucrânia desde a crise de 2014 teve pouco efeito moderador sobre os funcionários dos EUA ou defensores da ampliação da OTAN dentro da comunidade americana de política externa.

De fato, quando a Rússia anexou a Crimeia após o sucesso dos manifestantes americanos de derrubar o governo ucraniano eleito e pró-russo de Viktor Yanukovych, os falcões anti-russos parecem mais determinados do que nunca a estender a proteção de Washington à Ucrânia e à Geórgia. Escrevendo na edição de 5 de maio de 2014 do Weekly Standard, John Bolton deixou claro esse objetivo:

Obama deixou a Ucrânia e a Geórgia para se defender, ignorando a realidade político-militar que a Rússia instintivamente entendeu. Assim, ele deixou em aberto a vulnerabilidade que Bush havia tentado fechar em abril de 2008. Muitos que agora se opõem aos robustos esforços dos EUA para proteger a Ucrânia da depredação e divisão russa afirmam que não temos interesses sérios lá e, consequentemente, também rejeitam qualquer indício de que poderíamos novamente considerar a adesão à OTAN. No entanto, a longo prazo, unir-se à aliança é a única estratégia que pode realisticamente garantir a soberania georgiana e ucraniana e manter viva a opção de se unir ao Ocidente de forma mais ampla.

Essa visão é preocupante, dada a posição de Bolton como Conselheiro Nacional de Segurança do Presidente Trump. Outros conservadores estão se juntando à campanha para garantir a adesão da OTAN à Geórgia e à Ucrânia. Luke Coffey, diretor do Douglas and Sarah Allison Center for Foreign Policy na conservadora Heritage Foundation, emitiu um relatório em janeiro de 2018 intitulado “Membro da OTAN para a Geórgia: nos EUA e no interesse europeu” Coffey afirmou categoricamente que os Estados Unidos devem “continuar ser um defensor ”da adesão da Geórgia à OTAN. O relatório também instou os membros da OTAN na próxima cúpula de julho em Bruxelas a reafirmar o compromisso originalmente assumido em 2008 com relação à eventual adesão à Geórgia.

O entusiasmo contínuo por acrescentar a Geórgia e a Ucrânia à OTAN não se limita a recintos conservadores ou neoconservadores. Os estudiosos do Atlantic Council, Damon Wilson e David J. Kramer, escreveram um relatório de agosto de 2018, “Aumentar a OTAN para garantir a paz na Europa”. Nele, eles argumentaram que

“Estender a adesão à OTAN às nações que ganham pode eliminar vazios desestabilizadores de segurança.”
Na sua opinião, não dar esse passo cria perigos desnecessários:

“Sem um senso de oportunidade de quando essa associação está chegando, a perigosa zona cinzenta em que a Ucrânia e a Geórgia se encontram continuará. Os aliados não devem permitir que suas aspirações sejam mantidas como reféns pela ocupação russa.”
Infelizmente, a administração Trump parece estar pensando nas mesmas linhas imprudentes. Em uma visita a Tbilisi em agosto de 2017, o vice-presidente Mike Pence declarou alegremente:

“O Presidente Trump e eu estamos de acordo com a declaração da OTAN de Bucareste de 2008, que deixou claro que a Geórgia um dia se tornará membro da OTAN”.
Ele adicionou:

“Apoiamos fortemente a aspiração da Geórgia de se tornar um membro da OTAN. E continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com este primeiro-ministro e o governo da Geórgia em geral para avançar as políticas que facilitarão a transformação em membro da OTAN.”
De fato, o governo está forjando laços militares próximos com Kiev, mesmo sem a Ucrânia se tornar um membro formal da OTAN. Washington enviou soldados norte-americanos como participantes de exercícios militares conjuntos com as forças ucranianas – um ato que Moscou considera especialmente provocativo, dadas suas relações tensas com Kiev. O secretário de Defesa, James Mattis, admite que os instrutores dos EUA têm treinado unidades militares ucranianas em uma base no oeste da Ucrânia. Washington também aprovou duas importantes vendas de armas para Kiev nos últimos dez meses.

A política de contenção que a Alemanha, a França e outras nações da Europa Ocidental adotaram em relação à filiação nesses dois países é consideravelmente mais sensata do que a postura de Washington. É incerto quão firme essa resistência permanecerá, no entanto, diante de uma campanha conjunta de elementos influentes da comunidade de política externa americana e da própria administração Trump.

Espera-se que a determinação por parte dos principais aliados europeus de Washington de proteger os Estados Unidos de sua própria insensatez à política externa persista. A expansão da OTAN para incluir a Geórgia e a Ucrânia invadiria a principal zona de segurança da Rússia. Moscou provavelmente não deixaria tal ameaça à segurança nacional passar sem ser contestada, e os resultados poderiam ser trágicos para todos os envolvidos.

Autor: Ted Galen Carpenter
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Um comentário :

  1. Ao trazer a OTAN para as fronteiras russas, os EU visam a implantação de sistemas de defesa antimísseis e mísseis nucleares em torno da Rússia. Aliás, eu duvido que os EU permitiriam que a Rússia fizesse o mesmo no México. E a única coisa que Putin fará, como sempre, será reclamar. Lembrando que a OTAN entrou nos países bálticos quando Putin era o presidente da Rússia.

    ResponderExcluir