segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Paris e Berlim Quebram o boicote dos EUA à Síria

Eles estão  quebrando o boicote da Síria , enquanto preserva a "necessidade de eleições"

Tyler Durden

Não houve exatamente nenhum avanço na reunião de cúpula envolvendo França, Alemanha, Rússia e Turquia, em Istambul, no sábado, mas o evento em si foi uma vitória significativa para um lado em termos de vista. 

Joshua Landis, especialista em Síria, diz  : "A real importância da França e da Alemanha irem à Turquia para se encontrarem com Putin e Erdogan é que  eles estão efetivamente se separando dos EUA e se unindo ao processo de Astana". Em última análise, segundo o professor Landis: 

Eles estão  quebrando o boicote da Síria , preservando o ponto de "necessidade de eleições".
Infelizmente, como sugere a foto dos participantes da cúpula,  os Estados Unidos foram efetivamente cortados pela Rússia e do processo de Astana mediado pela ONU para encerrar a guerra da Síria   que estabeleceu os termos para o atual acordo de cessar-fogo de Idlib e trouxe a Turquia e a Rússia para uma órbita de cooperação para buscar paz e estabilidade a longo prazo. Notadamente a alemã Merkel e o francês Macron agora veem o acordo Rússia-Turquia em Idlib como a única saída viável que poderia evitar outro grupo de refugiados saindo em massa junto a um fluxo de jihadista indo a Europa , já que está acontecendo uma recuperação de uma crise migratória de anos. 

E o presidente Putin, sentado ao lado de seus colegas europeus, ainda afirmou que a Rússia está no banco do motorista desde sua intervenção de 2015 na guerra a pedido de Damasco. Putin  prometeu durante a cúpula : "Se os radicais ... lançarem provocações armadas da zona Idlib, a  Rússia se reserva o direito de dar assistência ativa ao governo sírio para liquidar essa fonte de ameaça terrorista " .

Mas depois de anos convocando e às vezes ajudando diretamente os esforços de mudança de regime do Ocidente na Síria,  qual é a real importância da França e da Alemanha irem à Turquia para conversações?
A real importância da França e da Alemanha irem à Turquia para se encontrarem com Putin e Erdogan é que eles estão efetivamente se distanciando dos EUA ao se unirem ao processo de Astana. Eles estão quebrando o boicote da Síria, preservando o ponto de "necessidade de eleições".
Podemos seguramente concluir que Assad não permitirá que nenhum "processo político" ou comitê constitucional o desaloje ou traga membros da oposição ao poder em Damasco. Ele ganhou a guerra .
A Europa está assustada por sua segurança. Não quer que a situação dos refugiados nem a situação jihadista na Europa piorem com a invasão dos idlibs. É por isso que a Europa está em Istambul.  Como Macron disse, o acordo de Idlib deve ser mantido.
A Rússia reiterou que o acordo de Idlib é temporário. Os jihadistas devem ser mortos ou presos . Mas a Rússia quer que a UE se empenhe e se comprometa com a ajuda à reconstrução da Síria, o que pode ajudar os refugiados a retornarem .
A Europa está zangada com os EUA por  terem escapado unilateralmente do acordo com o Irã e possivelmente esmagado a economia iraniana , o que poderia desestabilizar ainda mais a região e levar a um fluxo ainda maior de refugiados em direção à Europa. A política dos EUA é muito ruim para a Europa.
Turquia, Síria, Irã e Rússia querem expulsar os EUA do norte da Síria e encerrar sua aliança com o YPG.
Há muitas agendas concorrentes entre os diferentes lados de Istambul, mas este é um importante passo à frente,  rompendo com o objetivo declarado dos EUA de boicotar a Síria enquanto Assad permanecer no poder .
É um passo lógico para a frente depois que muitos países do Golfo, como Bahrein e Kuwait,  tomaram medidas para reconhecer a atual realidade da vitória de Assad  e trabalhar para a normalização das relações entre seus países.
There are many competing agendas among the different sides in Istanbul, but this is an important step forward, breaking with America's stated goal of boycotting Syria so long as Assad remains in power.
It is a logical step forward after many Gulf countries, such as Bahrain and Kuwait, took measures to recognize the present reality of the Assad victory and work toward the normalization of relations between their countries. pic.twitter.com/6vXjT4wt8Z
View image on Twitter

Abaixo está um breve resumo dos pontos acordados em um comunicado do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, do russo Vladimir Putin, do francês Emmanuel Macron e da chanceler alemã, Angela Merkel, na conclusão da cúpula deste fim de semana em Istambul,  via RT News :
Única solução política para a Síria : Os líderes  "expressaram seu apoio a um processo político inclusivo, liderado por sírios e de propriedade síria, facilitado pelas Nações Unidas".
Necessidade de começar a trabalhar na constituição em Genebra : Um comitê encarregado de redigir uma nova constituição para a Síria deve começar seu trabalho o mais rápido possível, de preferência antes do final deste ano.
Não à divisão da Síria : a Síria deve continuar existindo dentro de suas fronteiras pré-guerra. Quaisquer movimentos separatistas ou desejos de poderes estrangeiros para ocupar partes do país são, portanto, firmemente rejeitados.
Manter o cessar-fogo e derrotar os terroristas : os quatro países expressaram seu apoio ao acordo de cessar-fogo de Idlib, negociado anteriormente pela Rússia e pela Turquia. Ao mesmo tempo, enfatizaram a importância de combater o terrorismo e condenaram o uso de armas químicas.
Aumentar a ajuda humanitária : As Nações Unidas e outras organizações internacionais devem reforçar as entregas de ajuda ao país devastado pela guerra. O  fluxo “rápido, seguro e desimpedido” da ajuda humanitária proporcionará um alívio muito necessário aos sofrimentos do povo sírio.
Ajudar o retorno dos refugiados : Os quatro líderes enfatizaram a importância do retorno “seguro e voluntário” dos refugiados para a Síria. Para facilitar o processo, devem ser construídas instalações apropriadas de habitação e assistência social no país.
Eleições observadas internacionalmente : O objetivo final do processo de solução política é a realização de eleições transparentes e observadas internacionalmente, diz a declaração. Todos os sírios, incluindo aqueles que tiveram que fugir do país, devem poder participar.

Fonte: Zero Hedge
russia-insider

Nenhum comentário :

Postar um comentário