quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Gasoduto South Stream 2.0 sai das sombras

O segundo tubo e a extensão do oleoduto TurkStream serão nada mais do que o anteriormente cancelado gasoduto South Stream com outro nome

Constantin Gurdgiev

A Rússia cancelou repentinamente o gasoduto South Stream no final de 2014, depois que os EUA pressionaram a Bulgária a sair do projeto, e fez o anúncio surpresa de que o tubo seria movido para a Turquia.

A Rússia e a Turquia anunciaram que os dois países alcançaram um progresso significativo ao reviver o gasoduto South Stream, desativado em novembro de 2014, com o objetivo de passar o gás russo no Mar Negro. O projeto é parte dos contratos de licitação pública já garantidos para compras de gás assinados entre a Gazprom, Bulgária, Sérvia, Hungria, Eslováquia e Áustria.


O novo gasoduto da Turquia, o gasoduto Turkish Stream, será executado do mar de Krasnodar até um patamar de desembarque a oeste de Istambul. Em 19 de novembro, os presidentes Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan se encontraram em Istambul para anunciar a conclusão da seção offshore(parte marítima) do gasoduto.

A capacidade do gasoduto é de 30 milhões de metros cúbicos, embora a capacidade inicial da fase seja de 17bcm (o primeiro tubo). Atualmente, a Gazprom fornece o volume acima de 30bcm para a Turquia e 16bcm para a Bulgária, Sérvia, Eslováquia, Hungria e Áustria. O mercado turco foi fornecido através do gasoduto Blue Stream e os outros países são abastecidos através da Ucrânia. 

Com base nos relatórios do Kommersant da Rússia ( https://www.kommersant.ru/doc/3806415 ), a Gazprom conseguiu realizar dois feitos:

1- A Gazprom concluiu a colocação de dois (não um) tubos para a corrente turca, um destinado a abastecer a Turquia e outro, para abastecer o sul da Europa, 

2- A Gazprom garantiu propostas para compras de gás de todos os estados da UE para serem conectadas ao projeto South Stream (o concurso público da Bulgária termina em dezembro de 2018, mas todos os outros países já assinaram contratos de fornecimento).

Significativamente, os concursos foram garantidos em conformidade com as Diretivas da Energia da UE. Isto significa que o mais recente empreendimento da Gazprom abordou a principal causa das objeções originais da UE ao mesmo gasoduto antes de 2014. No caso do processo de licitações abertas, a Gazprom usou exatamente o mesmo esquema para garantir as encomendas de capacidade do seu gasoduto Nord Stream 2 para a Alemanha, República Checa e Eslováquia em 2017. Segundo os especialistas citados pelo Kommersant, isto torna impossível para a UE encerrar o projeto.

Evidentemente, a South Stream foi basicamente eliminada não pela UE, mas pelos Estados Unidos, empenhados em proteger o quase monopólio da Ucrânia no trânsito de gás russo. O governo Obama exerceu uma pressão maciça sobre a Bulgária e outros países receptores do South Stream para evitar o desembarque de gás russo no sul da Europa. Até agora, tem havido pouca indicação de qual seria a posição de Washington sobre a última versão do South Stream, mas duvido que seja acolhedora.

As estatísticas citadas pelo Kommersant no South Stream são impressionantes: de acordo com as fontes, a Gazprom assinou propostas de entrega com a Eslováquia por sete anos a partir de outubro de 2022 para 4.3bcm, dos quais a Áustria terá 3.8bcm, 4.7bcm para a Hungria, 2bcm para a Sérvia e 4,8bcm para a Bulgária. Então, em outubro de 2022, a Corrente Sul (ou a Corrente da Turquia,turk stream, ou o que você quiser chamar) estará bombeando para o sul da Europa o equivalente ao atual trânsito pela Ucrânia.

Entre dois novos oleodutos, a Gazprom pode facilmente entregar seus atuais contratos de suprimento para a Europa contornando a Ucrânia, embora, se a demanda europeia continuar se expandindo nas taxas atuais, é provável que a Gazprom precise reter alguma capacidade de trânsito ucraniana no futuro. Mesmo em 2021, antes de a South Stream entrar em operação, o trânsito de gás russo via Ucrânia pode cair para menos de 10 bilhões por ano.

Estes desenvolvimentos são, sem dúvida, uma grande preocupação para a Ucrânia - o país já levantou críticas ao South Stream em 19 de novembro - como o trânsito de gás russo via Ucrânia é um dos principais rendimentos para Kyiv. Com base nos dados do Conselho Europeu de Relações Exteriores, entre 1991 e 2000, a Ucrânia representou 93% do trânsito de gás russo para a Europa; em janeiro de 2014, esse valor era de 49%. A Naftogaz, empresa estatal de gás da Ucrânia, tentou várias vezes extrair as receitas em nível de monopólio da Gazprom. Em 2008, a Naftogaz tentou cobrar da Gazprom US $ 9 por tcm / 100km em taxas de trânsito - o triplo do preço cobrado pelo trânsito da Eslováquia e da Polônia e mais do que o dobro da taxa cobrada pela maioria dos estados da Europa Ocidental. Este preço veio em cima das autoridades ucranianas esperando que a Gazprom fornecesse gás para a Ucrânia para consumo doméstico a preços severamente subsidiados. É, naturalmente, digno de nota que a própria Gazprom é um monopólio e, no passado, utilizou as suas posições dominantes no mercado para exercer poder de mercado. Não existem inocentes (para além dos compradores europeus de gás) nos longos litígios entre a Naftogaz-Ucrânia e a Gazprom-Rússia.

No entanto, a situação é assimétrica. Atualmente, a Rússia continua a depender da Ucrânia para o trânsito de sua principal commodity negociada, enquanto a Ucrânia continua a depender da Rússia para uma grande parcela de sua atividade econômica. Em uma nota recente, Bruegel ( http://bruegel.org/2018/01/the-clock-is-ticking-ukraines-last-chance-to-prevent-nord-stream-2/ ) estimou que o Nord Stream 2 pode custar à economia ucraniana cerca de 2 a 3 por cento do PIB em perda de tráfego de gás russo. O South Stream deve adicionar outros 1,5%. A longo prazo, o custo geral para a Ucrânia de perder rotas de trânsito de gás russo pode custar até 5-6% do PIB.

Nota: os mais recentes desenvolvimentos no Mar de Azov podem exercer uma pressão política significativa sobre o projeto South Stream, se a UE e os EUA escolherem aumentar significativamente a sua pressão sobre a Rússia na sequência do bloqueio russo das rotas comerciais através do estreito de Kerch e em resposta aos incidentes navais relatados hoje. Tanto o bloqueio relatado como o incidente naval estão preocupando os desenvolvimentos, e o ônus da Rússia é reduzir rapidamente a já volátil situação no Mar de Azov. Não há razão justificável para restringir o acesso da Ucrânia às rotas comerciais e para aumentar as tensões militares na região.

Nenhum comentário :

Postar um comentário