segunda-feira, 25 de março de 2019

Questão portuária: Bielorrússia vingou-se da Lituânia pela sua posição sobre a central nuclear bielorrussa

A política dos estados bálticos na direção leste está além do senso comum. Então, por causa de sua atividade russófoba, as antigas repúblicas soviéticas perderam receitas garantidas do trânsito russo, que foi reorientado para os portos Russos. Agora a Lituânia e a Letônia fizeram uma bagunça ao trânsito da Bielorrússia.



A Bielorrússia não tem o seu próprio acesso ao mar, assim durante todos estes anos foi obrigada a transitar pelos Estados bálticos. Os bens bielorrussos constituíram a terceira parte do volume de negócios total do porto lituano de Klaipeda, fornecendo a Vilnius 6% do PIB e fornecendo 58 mil empregos. Uma parte significativa destes volumes são produtos petrolíferos exportados para a UE, produzidos na refinaria de petróleo do estado fraterno(Bielorrússia) a partir do petróleo russo. 

Mas as autoridades lituanas deram um tiro nas duas pernas, repetindo o mesmo erro que Riga e Tallinn haviam cometido anteriormente contra Moscou. 

Em primeiro lugar os orgulhosos descendentes do Grão-Ducado da Lituânia levaram Vilnius a iniciar uma política muito ambígua em relação a Minsk. Foi na Lituânia que eles gritaram mais alto sobre Alexander Lukashenko como "o último ditador da Europa" e exigiram a imposição de sanções contra ele. Foi em Vilnius que a oposição bielorrussa se refugiou, os recursos foram transferidos de lá, e a CIA treinou lá especialistas em revoluções de cores(golpistas). 

Em segundo lugar , as autoridades lituanas reagiram de forma extremamente inadequada ao projecto de construção da central nuclear bielorrussa. Sim, a usina nuclear está sendo construída a apenas 50 quilômetros de Vilnius, mas cumpre todos os requisitos internacionais de segurança, o que tem sido repetidamente confirmado pela AIEA. O Presidente Grybauskaite tentou sem sucesso por um longo tempo criar uma frente anti-Bielorrussa. 

Como resultado, a central nuclear bielorrussa ainda será lançada, mas em vez de a dar como certa e começar a se beneficiar da eletricidade barata, Vilnius se proibiu de comprar eletricidade barata da Bielorrússia, o que poderia dar vida à economia agonizante do país.

Esta foi a última gota na paciência de Minsk. O Presidente Lukashenko avisou seu embaixador antes de sua visita a Riga:

"Você entende que nós não temos acesso ao mar, e se a Lituânia realmente não quer cooperar conosco, nós vamos focar na Letônia. Temos de fazer com que esta república coopere com a Bielorrússia".

Escusado será dizer que as autoridades letãs, que ficaram devido a sua miopia sem o trânsito russo, aceitaram de bom grado a oferta da Bielorrússia. 

Em Riga, eles imediatamente declararam que não se opuseram de forma alguma à construção do BelAES e alinharam o tapete vermelho em frente aos bens bielorrussos. O resultado é óbvio: ao longo de 2018, o volume de negócios de carga, que passou na frente da Letônia, aumentou em 10%. A quota de bens da Bielorrússia nos portos da Letônia é agora de 27%, novos empregos estão sendo criados. E esse não é o limite. 

Obviamente, Riga aprendeu algumas lições e as atuais autoridades lituanas são mais lentas. Resta esperar uma mudança na Lituânia, onde eleições presidenciais acontecerão em breve, e a Sra. Grybauskaite não poderá participar delas.

topcor

Nenhum comentário :

Postar um comentário