quarta-feira, 29 de maio de 2019

Análise das eleições do Parlamento Europeu

Thierry Meyssan

No dia seguinte às eleições, todos os partidos propõem, a propósito, uma interpretação que lhes é favorável. Toda a leitura objectiva não deixa de incomodar uns ou outros. Todavia, os números não mentem.
JPEG - 15.3 kb
O resultado das eleições do Parlamento Europeu não corresponde, de modo algum, àquilo que havia sido antecipado —e inclusive por nós— . Esta análise baseia-se em resultados provisórios, à data de segunda-feira 27 de Maio às 10h GMT.

1— A participação cresceu, em relação ao escrutínio precedente de 2014, de 43 a 51 %


Certo, vários Estados organizaram outros escrutínios no mesmo dia, mas isso não explica este salto. Várias interpretações são possíveis. A única coisa certa é que os eleitores consideram que a União —e não o Parlamento— é agora uma questão mais importante do que no passado.

2— Os partidos da Primeira Guerra fria ficam à frente no Parlamento, mais são violentamente rejeitados em França e no Reino Unido em proveito dos liberais

A situação nestes países é diferente. A França já havia começado a sua mudança com a eliminação da direita e da esquerda da Primeira Guerra Fria na segunda volta da eleição presidencial de 2017. Ela confirma o fim dos Republicanos (8%) e dos Socialistas (6% ). _ O Reino Unido responde a uma outra lógica para chegar à mesma conclusão. Este país, cuja cultura jurídica é totalmente diferente da da União e que moldou a dos Estados Unidos, decidira, sob Barack Obama e em acordo com ele, deixar a UE para se juntar ao Tratado de Comércio Livre da América do Norte-TCLAN (conhecido como Alena em francês e Nafta em inglês- ndT) [1]. Mas na altura em que votou pelo Brexit, os Estados Unidos começavam já, com Donald Trump, a sua viragem de uma política imperialista para uma política jacksoniana. Desamparada, a classe dirigente britânica não conseguiu encontrar novos parceiros e bloqueou o Brexit. Agora, os Trabalhistas apenas obtêm 14% e os Conservadores 8%, enquanto os "Brexiters" os submergem com 31%. _ Este massacre eleitoral beneficia a Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE), representada em França pela "La République en marche" (22%) e no Reino Unido pelos "Lib-Dems" (18%). 

Mesmo se a direita (PPE, 178 lugares) e a esquerda (S&D, 149 lugares) continuam a ser as principais cores no Parlamento Europeu, elas têm nos calcanhares os Liberais (ALDE, 111 lugares). Tendo em conta os precedentes históricos, pode-se esperar que a França e o Reino Unido façam escola no resto da União e que no próximo escrutínio o PPE e os S&D desapareçam em proveito dos Liberais.

3— Fraca subida da tendência identitária

O Italiano Matteo Salvini tinha a ambição de fundar uma aliança de partidos opostos ao sistema. No fim, apenas pôde reagrupar os partidos identitários em volta da rejeição comum do modelo anglo-saxão de sociedade «multicultural» (quer dizer de uma sociedade partida em bocados na qual cada comunidade cultural dispõe, não mais das mesmas referências nacionais, mas dos seus próprios códigos e referências). 

A afirmação do modelo de sociedade europeia contra o modelo anglo-saxão irá tornar-se perfeitamente compatível com as instituições da União se o Reino Unido concretizar o seu Brexit. De facto, é de maneira totalmente errada que se apresenta a coligação (coalizão-br) de Salvini como «euro-céptica» ou de «extrema-direita». 

Finalmente, a Europa das Nações e das Liberdades (ENL) apenas sobe 16 %, passando de 50 à 58 assentos em 751.

4— Fracasso da ideia de soberania europeia

Toda a denuncia do controle anglo-saxônico sobre a União, tal como é estipulado pelos Tratados, ou do carácter europeu da cultura russa, foram relegadas para fora do campo mediático. 
Deixemos de lado a retórica sobre a «União potência», face à China, à Rússia e aos EUA, que todos sabem não passar de uma declaração de oratória. Os eleitores compreenderam que uma nova Guerra Fria está a ser montada, mas consideram que a OTAN foi o melhor aliado durante a Primeira Guerra Fria e que eles devem posicionar-se ao seu lado durante a Segunda. No entanto, a ausência de debate público sobre este tema revela uma má consciência, como se achassem a sua escolha, ao mesmo tempo, prudente mas covarde.

5— Na Alemanha e na França, substituição das questões políticas pelos objetivos da «sociedade civil»

A expressão anglo-saxônica «sociedade civil» designa associações que, pelo seu estatuto, não estão associadas à política, antes defendem outras causas. É precisamente o caso das questões ambientais, que são muitas vezes transnacionais, mas sempre subordinadas às questões políticas. Assim, mesmo que se suprimisse na União todos os carros e camiões (caminhões-br), a baixa de CO2 seria ínfima em relação à quantidade produzida pelos barcos e aviões necessários à globalização econômica. Ou ainda, mesmo se protegêssemos —não na União, mas no mundo inteiro— todas as espécies em vias de desaparecimento, isso não preservaria a biodiversidade destruída pelas guerras. Além disso, numa situação de guerra, todas as regulamentações ambientais são esquecidas. _ A subida dos Verdes, na Alemanha (20%) e na França (13%), traduz pois uma impotência dos eleitores em matéria de política. O raciocínio será : uma vez que não podemos agir contra o imperialismo e a globalização econômica, façamos a diferença de outra maneira. No entretanto, colocam-se em posição as forças para a Nova Guerra fria.

Thierry Meyssan
Tradução 
Alva

voltairenet

Nenhum comentário :

Postar um comentário