sábado, 18 de maio de 2019

EUA avisam companhias aéreas que podem derrubar aviões 'por engano' no golfo Pérsico

Em uma lembrança assustadora da queda do voo 655 da Iran Air por um míssil norte-americano, um aviso da Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês) disse que aeronaves civis sobrevoando o golfo Pérsico e o golfo de Omã estão atualmente em risco de "erros de cálculo ou erros de identificação".
Avião Airbus A300B2-203 da companhia aérea Iran Air


Um Aviso aos Militares Aéreos (NOTAM) publicado pela FAA na noite de quinta-feira informou que o risco se origina de "atividades militares intensificadas e aumento das tensões políticas" na área. Aviões que operam na região também podem "encontrar interferência de GPS inadvertida e outras interferências de comunicação", destacou o alerta.

A tensão na proximidade do Irã ocorre quando os EUA mobilizaram ativos militares adicionais na região, incluindo um grupo de ataque de porta-aviões e uma bateria de mísseis antiaéreos Patriot. Washington disse que foi uma resposta a uma ameaça indefinida apresentada pelas forças iranianas. Os EUA também retiraram pessoal não essencial das missões diplomáticas no Iraque. A demonstração de força teria sido provocada pela inteligência fornecida por Israel.

Para alguns, o alerta da FAA pode trazer de volta a lembrança sombria do incidente de 1988, em que um destroier de mísseis guiados norte-americanos derrubou um avião iraniano, matando 290 pessoas a bordo. O incidente aconteceu dois meses depois que os Estados Unidos afundaram uma fragata iraniana e uma canhoneira em retaliação a um incidente alguns dias antes, no qual um navio de guerra dos EUA atingiu uma mina iraniana.

Washington disse que a tripulação do USS Vincennes identificou erroneamente o voo 655 da Iran Air para um avião de guerra tentando atacar o navio de guerra e agiu em legítima defesa. O governo rejeitou as acusações de que membros do serviço militar dos EUA haviam agido de forma imprudente, com o presidente George H.W. Bush fazendo uma declaração infame: "Eu nunca vou pedir desculpas pelos Estados Unidos. Eu não me importo com o que os fatos são […] Eu não sou um tipo de desculpas pela América".

Os EUA pagaram indenização às famílias das vítimas, mas nunca aceitaram responsabilidade legal ou pediram desculpas a Teerã.

sputniknews

Nenhum comentário :

Postar um comentário