Rússia forçou o PACE a aceitá-la de volta - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Rússia forçou o PACE a aceitá-la de volta

Por Ivan Danilov 

Tradução de Ollie Richardson e Angelina Siard 

Fonte: https://ria.ru/20190527/1554927656.html

the saker

Uma ruptura potencial foi esboçada na frente européia da luta diplomática pelo senso comum. Graças à correta estratégia russa, os líderes europeus influentes amadureceram para corrigir uma antiga injustiça que se tornou o caráter das relações mistas russo-européias e devolveu à delegação russa todos os direitos dentro das estruturas da Assembléia Parlamentar do Conselho da Europa.
Imagem relacionada


O equilíbrio de forças no PACE é o seguinte. Por um lado, em uma conversa telefônica com Vladimir Putin, Angela Merkel e Emmanuel Macron apoiaram a recuperação completa dos direitos da delegação russa no PACE. Por outro lado, representantes da Ucrânia prometeram dar a última e decisiva batalha aos deputados pró-russos do PACE já em 3 de junho e sugeriram que a posição dos líderes da Alemanha e da França não os impressiona. 


O show promete ser encantador, mas o que é muito mais importante não é como as lutas diplomáticas acontecerão na PACE, mas como foi conseguido alcançar a flexibilidade crescente da posição europeia, antes inflexível, sobre a Rússia.

Há todos os motivos para acreditar que o progresso na questão do PACE está ligado ao banal, mas a pressão consecutiva colocou o ponto doloroso de nossos parceiros europeus - ou seja, em sua carteira. O processo de levar a posição européia em consonância com o bom senso começou depois que o presidente da Duma Vyacheslav Volodin em janeiro do ano passado anunciou o congelamento das contribuições á PACE: “Até o direito das delegações nacionais de participar nos trabalhos da Assembléia,foi documentado nos regulamentos do PACE, será incorreto dizer que vamos transferir esses fundos ”.

É necessário reconhecer que as autoridades europeias inicialmente não acreditavam que o PACE continuaria sem financiamento russo e, consequentemente, também sem uma parte considerável do seu orçamento.

Então a perspectiva de liquidar a própria organização por não ser mais necessária apareceu completamente na frente da liderança da PACE: se não há Rússia na PACE, então por que uma estrutura que era inicialmente necessária como uma plataforma para o diálogo entre legisladores da Europa e da Rússia existe? Foi possível reorientar o PACE, mas isso é longo, complicado e, em geral, inútil, já que sem as contribuições russas, o orçamento da organização dificilmente lidaria com o rebranding e o reposicionamento, que de qualquer forma provavelmente não teriam êxito.

Depois de uma demarche financeira de parlamentares russos, um processo bastante divertido começou que visualmente mostrou que na Europa ainda há políticos que acreditam sagramente que é possível enganar facilmente a Rússia e que, para isso, só há necessidade de mostrar a persistência necessária.

O Secretário-Geral do Conselho da Europa Thorbjorn Jagland de novo e de novo - oficialmente e à margem - exigiu o pagamento de contribuições da Rússia e até fez ultimatos. Por exemplo, durante a sessão de verão do PACE do ano passado, que aconteceu em Estrasburgo, Jagland “apresentou uma proposta à Rússia” e exigiu que as contribuições fossem pagas: “13 de junho (2018 - ed) é o prazo para o pagamento das contribuições”.

Um ano se passou.

A posição do presidente da Duma do Estado e dos vice-corpos permaneceu invariável. E Jagland e seus colegas perceberam que a Rússia de fato não pagaria. E se a Rússia for removida do PACE, então para a Rússia, em princípio, nada mudará - porque, como lembramos, a delegação russa já não podia trabalhar no PACE.

Em janeiro deste ano, a situação começou a adquirir um olhar cômico, e as notas de pânico começaram a surgir no tom das mensagens dos funcionários da Assembléia Parlamentar. Este mesmo Jagland colocou os deputados das delegações europeias diante de um fato: é necessário adotar um orçamento reduzido e é necessário considerar que as medidas econômicas introduzidas por causa da Rússia prejudicam a organização já que funcionários e pessoal de serviço não tolerarão salários congelados por muito tempo.

O preço da questão é de cerca de 60 milhões de euros. E esse preço, quando combinado com a perspectiva de perder o “significado da vida do PACE”, forçou os parlamentares europeus a olhar para a situação um pouco mais sobriamente.

É impossível excluir que o golpe diplomático final que rasgou o projeto europeu foi a recente declaração de Volodin, que elevou as participações no sentido financeiro mais direto e designou a conveniência de reembolsar as contribuições, incluindo aquelas que já foram pagas à PACE pelo período em que a delegação russa foi desfranquiada.

Mesmo que a liderança do Conselho da Europa quisesse atender a essa demanda, seria impossível, porque não há dinheiro suficiente no orçamento da organização, mesmo para a atividade diária normal.

Possivelmente, neste momento, o gelo finalmente rachou, e a questão do retorno da delegação russa ao PACE atingiu o mais alto nível político em Paris e Berlim, o que levou ao fato de que a posição oficial de Merkel e Macron desapontou fortemente Kiev.

“Após a reunião ministerial do Conselho da Europa em Helsínquia, a bola está agora no tribunal da PACE. É precisamente aí que as batalhas finais sobre se a Federação Russa poderá regressar à Assembleia, sem ter cumprido qualquer das exigências das resoluções do PACE adoptadas em resposta à agressão russa contra a Ucrânia, terão lugar. Os oponentes estão voltados para terminar este caso a qualquer custo. Os russos também entendem que esta é a sua chance ”, disse o representante permanente da Ucrânia ao Conselho da Europa, Dmitry Kuleba.

Os deputados ucranianos mostram uma louvável vontade de vencer, mas seu problema não é a delegação russa, mas a posição da diplomacia europeia registrada em uma recente reunião do Conselho da Europa. Na declaração final dos Ministros dos Negócios Estrangeiros dos países do CoE foi documentada uma posição clara que se resume a uma tese: “Todos os participantes da organização devem ter oportunidades iguais para trabalhar no PACE, mas as contribuições também devem ser pagas”, o que prova mais uma vez a importância justamente da questão financeira.

Independentemente de como as batalhas de junho na PACE chegarão ao fim, já é possível agora determinar que a Rússia encontrou uma maneira de interagir efetivamente com os parceiros europeus. É adequado mesmo para aqueles casos em que, aparentemente, todas as pontes já foram queimadas, e os políticos europeus que incendiaram as pontes afirmam que a Rússia deveria "pagar e se arrepender". A receita que mostrou sua eficiência no exemplo das “anti-sanções” alimentares e o conflito no Conselho da Europa se resume a dois ingredientes: é necessário bater os europeus em suas carteiras e mostrar uma demonstração de ferro e paciência inflexível.

O resultado não será imediato, mas será positivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here