quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Petrolífera venezuelana PDVSA registra escritório em Moscou

A petrolífera estatal venezuelana Petróleos de Venezuela, ou PDVSA, registrou seu escritório em Moscou. O movimento ocorre depois que a principal estatal russa Rosneft, no mês passado, se tornou a principal operadora do petróleo venezuelano.

" Registramos a PDVSA na jurisdição russa", disse o ministro de petróleo da Venezuela, Manuel Quevedo, a repórteres na quarta-feira. Em julho, Quevedo declarou que a Rússia havia solicitado à PDVSA que registrasse sua própria entidade legal no país para ajudar a garantir o trabalho do escritório de representação da empresa em Moscou.


O escritório da PDVSA foi aberto em Moscou em março, sob as instruções do presidente da Venezuela, Nicolas Maduro. Ele Substitui a filial portuguesa da empresa.

De acordo com o sistema SPARK, em 6 de agosto, a PDVSA Rusia LLC foi oficialmente registrada no Registro Estadual Unificado de Pessoas Jurídicas (USRLE). Seus proprietários são a PDV venezuelana EURO-ASIA SA (98%) e sua subsidiária cubana PDVSA Cuba (2%). A principal atividade da PDVSA Rusia na Rússia está registrada como consultoria de negócios e gestão.

O registro da PDVSA em Moscou ocorre depois que a Rosneft se tornou o principal negociador de petróleo venezuelano em agosto, facilitando o transporte do petróleo do país para a China e a Índia. Foram cerca de 40% das exportações da PDVSA em julho e mais de 66% em agosto, de acordo com os programas de exportação da empresa e os dados do Refinitiv Eikon. Isso veio como uma tentativa de ajudar a Venezuela, onde o petróleo representa mais de 95% da receita de exportação, a aliviar as perdas devido às sanções dos EUA.

Washington impôs seu primeiro lote de sanções à indústria petrolífera da Venezuela em janeiro, numa tentativa de derrubar o presidente Nicolas Maduro, cuja reeleição no final de 2018 foi vista pelos Estados Unidos e alguns governos ocidentais como ilegítima. Em vez disso, eles reconhecem o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como o legítimo chefe de estado do país.

Tanto a Rússia quanto a China, o segundo maior comprador de petróleo da Venezuela, classificaram as sanções dos EUA contra o país latino-americano de unilaterais e ilegais.

Em agosto, Washington impôs um novo conjunto de sanções à Venezuela, com avisos de que tomaria medidas contra qualquer empresa que "estivesse ajudando materialmente " o governo de Maduro. O governo dos EUA também congelou todos os ativos do governo venezuelano nos Estados Unidos.

Devido a sanções, as exportações gerais de produtos brutos e refinados pela PDVSA e suas joint ventures caíram no mês passado para cerca de 770.000 barris por dia (bpd), de 992.565 bpd em julho e 1,13 milhão bpd em junho, segundo dados da Reuters.

RT

Nenhum comentário :

Postar um comentário