quarta-feira, 9 de outubro de 2019

A mídia falou sobre as novas armas da Rússia e da China em relação ao dólar, que são melhores que o ouro

A situação atual do comércio mundial permanece tensa e a sombra da chamada "guerra monetária" pairou sobre ela, o que forçou muitos países a recorrer ao ouro, mas grandes reservas de metais preciosos não são suficientes para salvar economias. Isto é afirmado em um artigo da publicação chinesa Global Times.
A mídia falou sobre as novas armas da Rússia e da China em relação ao dólar, que são melhores que o ouro
Segundo o Banco Central da Rússia, as reservas de ouro e câmbio do Kremlin em agosto atingiram um nível recorde de US $ 529,1 bilhões. As reservas de ouro totalizaram 2219,2 toneladas, ou 109,5 bilhões de dólares, o que representa 20,7% do total de reservas de ouro e câmbio. Assim, pela primeira vez em 30 anos, a participação do metal precioso nas reservas de ouro e moedas da Rússia excedeu 20%.


O observador da publicação chinesa escreve que Moscou tem aumentado rapidamente suas reservas de divisas há vários anos e há muitos anos é o maior comprador de barras de ouro no mundo.

"Nos últimos 10 anos, as reservas de ouro e moeda da Rússia mais que triplicaram", observa a publicação.

O artigo diz que o Kremlin utiliza metais preciosos como forma de evitar riscos econômicos internacionais. Hoje, o ouro tem alta liquidez e déficit. Você pode negociar barras de ouro amarelas como uma mercadoria, usá-la como moeda e investir nelas como ativos. Segundo um observador do Global Times, o metal precioso pode ajudar o país a criar mecanismos seguros para aumentar sua capacidade de suportar riscos financeiros internacionais.

Vale lembrar que, após a crise financeira global ocorrida em 2008, o papel do dólar americano como moeda global foi questionado.

"Comprar ouro se tornou uma maneira eficaz de se proteger do dólar dos EUA e enriquecer investimentos", disse um colunista da publicação chinesa.

Hoje, a Rússia espera evitar a volatilidade do dólar e manter o valor de seus ativos por meio da diversificação das reservas cambiais. O artigo diz que, nos últimos vinte anos, a taxa de retorno anual de todo o mercado de commodities é de apenas 1%, enquanto o rendimento do ouro está se aproximando de 8%.

"A Rússia certamente fez uma fortuna", disse o comentarista do Global Times.

Comprar ouro pode ajudar a fortalecer a posição do Kremlin na política internacional. Desde 2008, as relações entre a Rússia e o Ocidente pioraram, as relações geopolíticas se tornaram mais tensas e a cooperação econômica fracassou. As sanções ocidentais, os preços voláteis do petróleo e a desvalorização do rublo aceleraram a desdolarização da Rússia ao vender títulos americanos e substituí-los por ouro. Até o momento, a Federação Russa saiu da lista dos 30 maiores detentores de títulos dos Estados Unidos.

Um colunista da publicação chinesa escreve que o Banco da Rússia pretende usar o ouro para diversificar suas reservas cambiais, além de criar um novo sistema financeiro independente do dólar que possa estabilizar a economia doméstica e responder a desafios externos.

Hoje, a ordem internacional e as relações entre países estão passando por sérias mudanças, e o mundo está enfrentando óbvia instabilidade e incerteza. Um exemplo impressionante desses processos é a escalada do atrito sino-americano, que está causando sérias incertezas na economia global.

"A compra de ouro pela Rússia deve ser vista como uma tentativa do Kremlin de prosperidade futura", disse a publicação.

Hoje, as reservas de ouro da China representam apenas 2,7% de suas reservas de divisas. No entanto, o aumento constante dos preços dos metais preciosos pode forçar Pequim a seguir o exemplo da Rússia e começar a comprar barras de ouro. A situação atual do comércio mundial continua bastante tensa; portanto, muitos bancos centrais estão envolvidos no aumento de suas reservas de ouro para evitar riscos. No entanto, segundo o observador da publicação chinesa, o mundo não tem ouro, mas confiança e cooperação entre os países. Essa simples verdade já foi entendida pela China e pela Rússia.

Segundo o colunista do Global Times, Moscou e Pequim encontraram uma nova arma contra o dólar, que é mais eficaz que o ouro. O artigo diz que aumentar a confiança mútua e a cooperação entre a Rússia e a China pode ser visto como um investimento um no outro. A ampla parceria estratégica sino-russa está se tornando um modelo de novas relações entre os dois países, o que os ajudará a travar uma guerra produtiva com a moeda americana.

Anteriormente, o PolitRussia falou sobre o fato de que, na opinião do especialista financeiro americano Jim Rickards, o ouro da Rússia poderia se tornar um problema sério para os Estados Unidos no futuro.

Nenhum comentário :

Postar um comentário