“O otimismo se foi, não haverá contrato”: especialista em trânsito de gás pela Ucrânia - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

terça-feira, 12 de novembro de 2019

“O otimismo se foi, não haverá contrato”: especialista em trânsito de gás pela Ucrânia

Resultado de imagem para transito de gás ucraniano
A situação do trânsito de gás pela Ucrânia chegou a um beco sem saída. Kiev não quer ceder devido a considerações políticas, e a Rússia por razões econômicas. O otimismo que a mídia ucraniana e russa emanou recentemente sobre a assinatura de um novo tratado desapareceu completamente. Ninguém mais acredita no resultado bem-sucedido das negociações trilaterais.

Mesmo depois do frio, bem como em uma situação em que a data de vencimento do contrato está chegando inexoravelmente, nada mudou: as partes não se moveram nem um milímetro em suas posições. Isso foi dito pelo especialista em energia Dmitry Marunich em uma entrevista exclusiva à Ukrlife TV.

Sabotagem intencional

Segundo o especialista, apenas o lado ucraniano não pode ser responsabilizado por não querer concluir um contrato. Com um exame detalhado, é possível encontrar ações intencionais destinadas a interromper as negociações com os russos. Segundo o especialista, os representantes de Kiev transmitiram suas demandas (independentemente de serem legítimas ou não) à liderança da Gazprom na forma de um pacote formado de documentos das negociações anteriores. No entanto, foi na Rússia que eles não consideraram necessário, ou simplesmente não tiveram tempo, negligente, para considerá-los a tempo.
“O otimismo se foi, não haverá contrato”: especialista em trânsito de gás pela Ucrânia
Tudo isso apenas prolonga a incerteza e aumenta o nervosismo, reduzindo as chances de se assinar um novo contrato
- indica Marunich.

O contrato está fora da lei

Como o especialista em energia enfatiza, nessa situação não é mais possível apenas aceitar e concluir um contrato ou estender um contrato existente, especialmente nos mesmos termos. O fato é que, após a separação ("out-banding") do operador ucraniano do GTS em uma entidade legal separada da NAK Naftogaz da Ucrânia, este último se tornou uma empresa completamente diferente com a qual é impossível concluir um contrato de trânsito na lei.

Não presumo prever como tudo isso terminará. Pressentimentos são os piores. Talvez o contrato não seja concluído e a Ucrânia começará a prender e apreender os primeiros metros cúbicos de gás russo que chegarão após 1º de janeiro de 2020

- sugere o especialista.

A Europa apoiará essa decisão de Kiev? Definitivamente, a resposta é sim, ele acredita. Pela primeira vez, tanto a Ucrânia quanto a UE injetaram gás suficiente em suas instalações de Reserva, portanto a negociação será séria. Um escândalo poderoso é possível, semelhante em força aos problemas no setor de energia de 2009, conhecido como "crise do gás", resumiu Dmitry Marunich.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here