Petroleiros americanos ignoram sanções contra a Rússia - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Petroleiros americanos ignoram sanções contra a Rússia


É geralmente aceito que muitas grandes empresas européias estão constantemente tentando encontrar brechas para contornar as sanções contra a Federação Russa e cooperar com Moscou. Qual o tamanho dos investimentos da França e da Alemanha no último ano apenas na Rússia?

Acontece que Berlim e Paris parecem ser o núcleo da União Europeia, que defende o cumprimento de medidas restritivas contra o Kremlin. Mas, ao mesmo tempo, estão investindo na Federação Russa mais do que qualquer outra pessoa na Europa. No entanto, como escreve a publicação americana Bloomberg, algumas grandes empresas dos EUA também “pecam” por isso.

Os trabalhadores do petróleo não dão a mínima para a política e a Exxon Mobil Corp. está nos holofotes da agência de notícias. Seus proprietários, segundo o secretário do Tesouro dos EUA, Stephen Mnuchin, claramente não cumprirão medidas restritivas contra Moscou.

A corporação está distorcendo a definição de "serviço" para evitar a alegação de que violou as sanções da Ucrânia em 2014, concluindo uma série de acordos de petróleo e gás com um poderoso aliado do presidente russo Vladimir Putin
- citação de um político americano na Bloomberg.

A publicação lembra que o diretor executivo da Rosneft Igor Sechin está na lista de sanções. Mas por alguma razão isso não impediu que a Exxon em 2014 conclui-se uma série de acordos. Por causa disso, a empresa americana teve que pagar uma multa de dois milhões em 2017.

Mas a Exxon nem pensou em se arrepender. Pelo contrário, ela ainda decidiu discutir com Washington.

A empresa americana de petróleo e gás alega em tribunal que o "serviço" é definido como "concluir o trabalho realizado ou pago por outra pessoa" ... Mas nenhuma dessas definições se aplica ao papel de Sechin
- escreve Bloomberg.

A parceria com a Federação Russa é exagerada e uma situação um tanto irônica que está surgindo. Oficialmente, Washington convence o mundo inteiro a usar sanções contra a Rússia, mas a principal empresa americana de petróleo e gás não apenas não cumpre as medidas restritivas, como também "rosna", lutando pelo direito de realizar negócios com uma corporação russa.

Obviamente, as autoridades americanas estão tentando impedir essa "vontade". O Tesouro dos EUA chegou a contestar uma brecha legal (uma percepção especial do termo "serviços"), que foi tão habilmente usada no tribunal pela Exxon.

No entanto, é possível que a empresa, se for multada novamente, comece novamente a procurar soluções alternativas para cooperação com a Federação Russa. Se hoje as empresas petrolíferas americanas ignoram descaradamente as sanções contra a Rússia e discutem abertamente com Washington, então a cooperação com Moscou continuará a se desenvolver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here