EUA preparam a NATO para enfrentar a Rússia e a China - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sábado, 7 de dezembro de 2019

EUA preparam a NATO para enfrentar a Rússia e a China



por M K Bhadrakumar [*]

A cimeira de 3-4 de Dezembro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em Londres, assemelha-se a uma reunião de família após o ressentimento quanto à questão dos gastos militares dos aliados europeus dos EUA.

A tendência é aumentar os gastos com defesa dos aliados europeus e do Canadá. É expectável que mais de US$100 mil milhões sejam acrescentados aos orçamentos de defesa dos Estados membros até o final de 2020.

Mais importante ainda, a tendência na reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, em Bruxelas nos dias 19 e 20 de Novembro, na véspera da cimeira de Londres, mostrou que apesar das crescentes diferenças dentro da aliança os Estados membros cerraram fileiras em torno de três itens prioritários da agenda global dos EUA – escalada da política agressiva em relação à Rússia, militarização do espaço e contenção da ascensão da China.

A NATO seguirá a liderança de Washington para estabelecer um comando espacial, considerando oficialmente o espaço como "um novo domínio operacional" . Segundo o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, esta decisão "pode permitir aos planeadores da NATO solicitarem aos aliados que forneçam recursos e serviços, tais como comunicações por satélite e imagens de dados".

Stoltenberg disse : "O espaço também é essencial para a dissuasão e defesa da aliança, incluindo a capacidade de navegar, para reunir inteligência e detectar lançamentos de mísseis. Cerca de 2.000 satélites orbitam a Terra. E cerca de metade deles pertence a países da NATO".

Da mesma forma, Washington instou a NATO a identificar oficialmente a ascensão da China como um desafio a longo prazo. Segundo reportagens dos media, a reunião de Bruxelas atendeu à exigência dos EUA e decidiu oficialmente iniciar a vigilância militar da China.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, atacou a China após a reunião de Bruxelas: "Finalmente, nossa aliança deve tratar da ameaça atual e potencial a longo prazo representada pelo Partido Comunista Chinês. Setenta anos atrás, as nações fundadoras da NATO uniram-se pela causa da liberdade e da democracia. Não podemos ignorar as diferenças e crenças fundamentais entre os nossos países e aquelas do Partido Comunista Chinês".

Até aqui, tudo bem. Contudo, está para ser visto se o grande desígnio de Washington de arrastar a NATO para sua "estratégia indo-pacífica" (leia-se contenção da China) ganhará força. Claramente, os EUA pretendem ter uma palavra a dizer nas crescentes relações comerciais e econômicas dos aliados europeus com a China a fim de delimitar a influência chinesa na Europa. A campanha dos EUA para bloquear a tecnologia 5G da China deparou-se com a rejeição de vários países europeus.

Por outro lado, o projeto europeu descarrilou e o eixo franco-alemão que era a sua âncora tornou-se instável. O fosso entre Paris e Berlim funciona em vantagem de Washington mas, paradoxalmente, também atrapalha o sistema de aliança ocidental.

O presidente francês Emmanuel Macron irritou a Alemanha com os seus recentes apelos a melhores relações com a Rússia "para impedir que o mundo entre numa conflagração"; com as suas observações brutalmente francas acerca da "morte cerebral" da NATO e de a política dos EUA sobre a Rússia ser "histeria governamental, política e histórica"; assim como sua ênfase repetida numa política militar europeia independente dos EUA.

A congruência de interesses entre Berlim e Washington em relação a Macron manifestou-se no endosso da NATO à escalada liderada pelos EUA contra a Rússia e a China, com a França bastante isolada. No entanto, esta congruência será posta à prova muito em breve na reunião da cimeira no formato Normandia sobre a Ucrânia, que a França sediará em 9 de Dezembro, após a cimeira da NATO em Londres. A França está a ajudar a Rússia a negociar um acordo com a Ucrânia.

Os recentes telefonemas entre o presidente russo Vladimir Putin e seu colega ucraniano Volodymyr Zelensky enfatizaram o crescente interesse em Moscovo e em Kiev ao nível da liderança de melhorar as relações entre os dois países.

Em última análise, as relações franco-alemãs são de importância crucial não apenas para o futuro estratégico da Europa, mas também para o sistema de aliança ocidental como tal. Se alguém estivesse em dúvida, o veto francês em Outubro significa morte súbita para a proposta de adesão à União Europeia do estado balcânico da Macedônia Norte, que a NATO está a promover como seu mais novo membro. Berlim e Washington estão lívidos, mas um veto é um veto.

Com a NATO a ser configurada por Washington para uma postura de confronto, Rússia e China não baixarão a sua guarda. Numa reunião do Conselho de Segurança da Federação Russa em 22 de Novembro, Putin disse : "Existem muitos factores de incerteza... a competição e a rivalidade estão a aumentar e a transmutar-se em novas formas... Os países principais desenvolvem ativamente suas armas ofensivas... o chamado "clube nuclear" está a receber novos membros, como todos sabemos. Também estamos seriamente preocupados acerca da infraestrutura da NATO que se aproxima das nossas fronteiras, bem como com as tentativas de militarizar o espaço sideral".

Putin enfatizou: "Nestas condições, é importante fazer previsões adequadas e precisas, analisar as possíveis mudanças na situação global e utilizar as previsões e conclusões para desenvolver nosso potencial militar".

A acumulação militar liderada pelos EUA contra a Rússia e a China estará em exibição em dois grandes exercícios no próximo ano, com os nomes de código " Defender 2020 in Europe " e " Defender 2020 in the Pacific ".

Significativamente, apenas quatro dias antes de Putin fazer as observações acima, o presidente chinês Xi Jinping disse-lhe numa reunião em Brasília à margem da cimeira do BRICS que "as mudanças complexas e profundas em curso na atual situação internacional com crescente instabilidade e incerteza instam a China. e a Rússia a estabelecerem uma coordenação estratégica mais estreita para defender conjuntamente as normas básicas que governam as relações internacionais, oporem-se ao unilateralismo, ao bullying e à interferência nos assuntos de outros países, salvaguardar as respectivas soberania e segurança e criar um ambiente internacional razoável e justo".

Putin respondeu dizendo que "a Rússia e a China têm um importante consenso e interesses comuns em manter a segurança e estabilidade estratégicas globais. Sob a atual situação, os dois lados devem continuar a manter uma estreita comunicação estratégica e apoiar-se firmemente na salvaguarda da soberania, segurança e direitos de desenvolvimento". ( MFA chinesa )

A resposta russa também é visível no terreno. A parcela de armas e equipamentos modernos na Marinha e no Exército russos atingiu um nível impressionante de 70%. O primeiro lote piloto de tanques T-14 Armata da próxima geração chegará às tropas russas no final de 2019 – princípio de 2020.

Em 26 de Novembro, o Ministério da Defesa da Rússia declarou que o inovador sistema de mísseis Avangard de Moscovo com o veículo hipersônico de impulso deslizante em Dezembro será instalado em prontidão de combate na Força Estratégica de Mísseis.

Pela primeira vez, os sistemas de guerra eletrônica na base militar da Rússia no Tajiquistão serão reforçados com a mais recente estação de interferência Pole-21 que pode conter mísseis de cruzeiro, drones e bombas aéreas guiadas e sistemas de orientação de armas de precisão. Moscovo está a proteger-se contra a presença dos EUA e da NATO no Afeganistão.

27/Novembro/2019
[*] Analista político, indiano.

O original encontra-se em https://indianpunchline.com/us-primes-nato-to-confront-russia-china/

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here