Síria começa nova ofensiva em Idlib - batalha da ONU pelo controle da ajuda aos sírios - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Síria começa nova ofensiva em Idlib - batalha da ONU pelo controle da ajuda aos sírios


moon of alabama.

A campanha do exército sírio para libertar dos terrorista  Idleb foi reiniciada ontem. A campanha foi interrompida no final de agosto, após negociações de cessar-fogo entre a Turquia e a Rússia. Desde então, quase mil pessoas morreram de todos os lados em Idleb durante confrontos, ataques de artilharia de rebeldes a cidade de Aleppo e ataques aéreos sírios e russos.

O objetivo geral da campanha relançada é libertar as cidades de Maarat al-Numan e Saraqib e ganhar controle sobre a rodovia M5 norte a sul entre Hama e Aleppo.


A frente atualmente mais ativa fica no sudeste do território, onde pelo menos dois eixos de ataques ocorrem na direção de Maarat a-Numan, uma cidade com 80.000 habitantes quando a guerra na Síria começou. O terreno é relativamente plano e permite fazer bom uso de tanques.


A campanha terrestre é apoiada por mais de 100 ataques aéreos por dia e por fortes ataques de artilharia.

A agência de notícias síria SANA relata os primeiros sucessos:
As unidades do Exército Árabe Sírio na sexta-feira limparam vilarejos e fazendas de Um Jalal, Rabe'a, Khreibah, Sh'aret al-Ajayz, Barnan e Um Twineh, Tal Mahoo, al-Fariha, Bresa e Tal al-Sheeh em Idleb, no campo sudeste após ferozes confrontos com organizações terroristas, infligindo pesadas perdas a elas.
...
O repórter indicou que as fazendas e aldeias limpas incluíam sedes básicas para as organizações terroristas usadas por elas para atacar as áreas seguras e lançar foguetes contra pessoas no interior do sudeste de Aleppo e no norte de Hama.
O Observatório Sírio na Grã-Bretanha confirmou o progresso e mais relatórios de que foram mortos pelo menos 38 'rebeldes'.

Outra briga pela Síria atualmente ocorre nas Nações Unidas. A resolução 2165 do Conselho de Segurança das Nações Unidas está pronta para sua renovação anual. Ele regula o acesso à ajuda humanitária da ONU de países terceiros em várias áreas da Síria que em algum momento não eram mantidas pelo governo sírio. A Rússia quer que ela seja alterada para adotar novas circunstâncias, especialmente no nordeste da Síria.
Nunca ficamos realmente entusiasmados com operações humanitárias transfronteiriças, porque isso contraria os princípios básicos da ONU de fornecer assistência humanitária. Não obstante, fomos a favor, porque tínhamos entendido que, no contexto existente na Síria, era necessário um método de prestação de assistência humanitária àqueles que precisavam. Agora as coisas mudaram. O governo da Síria está no controle da maior parte do território. A assistência humanitária é fornecida conforme o procedimento usual - com o consentimento de Damasco. Das quatro passagens para esta assistência transfronteiriça, apenas duas são realmente usadas. Percebemos que uma parte da população síria, em Idlib, ainda precisa de entregas humanitárias, o que, entre outros aspectos, tem a ver com o inverno que virá em breve. Provavelmente, neste momento, as chamadas "entregas transfronteiriças" são a maneira mais fácil para quem precisa de ajuda. Com base nessas e em outras considerações humanitárias, apresentamos nosso projeto de resolução que propõe estender esse mecanismo por mais um período de seis meses.
A Rússia também está preocupada com o fato de a ajuda fluir para certos grupos e não para aqueles que precisam. Ela quer que as atuais passagens da ajuda da ONU para o nordeste da Síria sejam encerradas.

Partes do nordeste da Síria estão sob controle da Turquia e partes estão sob controle dos EUA com a ajuda do YPG curdo. Mas a maior parte da área agora é mantida por tropas sírias e russas, mesmo enquanto continua sob controle administrativo dos curdos. O governo sírio quer pressionar os curdos do YPG a desistir de seu controle e reenviar para o governo sírio.

Argumenta que a ajuda à área deve fluir através do território controlado pelo governo sírio e não deve ocorrer independentemente através da Turquia ou do Iraque. Ele quer que a ajuda seja distribuída pela própria ONU ou por organizações sírias e não pela administração curda ilegítima que a utiliza para controlar a população.

Alemanha, Bélgica e Kuwait, que redigiram o atual rascunho do R2449 que deveria substituir o R2165, querem mesmo abrir um quinto ponto de passagem de fronteira adicional da Turquia para a área. Eles rejeitaram as demandas russas. A Rússia ameaçou vetar a renovação da resolução.

O lobby sionista quer que os EUA retirem sua parcela do financiamento da ajuda da ONU e a doem a "ONGs internacionais que não estão registradas em Damasco" ou a "parceiros locais capazes em áreas não-regime" - ou seja, os terrorista em Idleb e o YPG.

What's In Blue detalhou o desenvolvimento da discussão nas últimas semanas. O Conselho de Segurança se reuniu ontem para ser informado sobre a Síria. Embora devesse votar na renovação, o comunicado de imprensa no site da ONU apenas relata uma discussão.

Presumivelmente, a decisão sobre o assunto foi adiada. A renovação do R2165 será reformulada e um compromisso poderá ser votado ainda hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here