O orador do parlamento estoniano deixou claro que Tallinn tem reivindicações territoriais contra a Federação Russa - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

O orador do parlamento estoniano deixou claro que Tallinn tem reivindicações territoriais contra a Federação Russa

O orador do parlamento estoniano deixou claro que Tallinn não recusa reivindicações territoriais contra a Federação Russa
No site do parlamento estoniano, o texto do discurso de Ano Novo do presidente do órgão legislativo do país, Henn Põlluaas, foi publicado. Parece que este é um evento comum para qualquer país do mundo. No entanto, há detalhes neste comunicado que não podem ser ignorados.

Põlluaas, dirigindo-se aos cidadãos da Estônia, disse que em 2 de fevereiro o país celebrará o centenário do Tratado de Paz de Tartu. Com base nesse tratado, a Rússia soviética reconheceu a Estônia como um estado independente.

Põlluaas:

A assinatura do acordo encerrou a luta pela independência da Estônia, e a fronteira entre a Estônia e a Rússia foi determinada.

Segundo o presidente do Parlamento da Estônia, o Tratado de Tartu, que entrou em vigor em 2 de fevereiro de 1920, "ainda permanece no registro de documentos internacionais existentes".

Por que Põlluaas dedicou tanta atenção a este tratado, alegando que ele ainda estava "agindo"?

O fato é que, com base nessas declarações, a Estônia moderna está tentando apresentar reivindicações territoriais à Federação Russa. Em particular, Tallinn não recusará reclamações de uma parte dos distritos de Kingisepp e Slantsevsky da região de Leningrado, bem como no distrito de Pechora na região de Pskov.

Após o colapso da URSS, a Estônia declarou reivindicações territoriais sem assinar um acordo de fronteira. Como resultado, a Federação Russa fez isso unilateralmente com base no decreto de Boris Yeltsin de 21 de junho de 1994. Na Estônia, eles declararam que acordos subsequentes com a Federação Russa "não cancelam a validade do contrato de 1920". Então, talvez a Rússia deva se referir a documentos, por exemplo, da era de Pedro, o Grande?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here