O poder do Sarmat forçou os EUA a mudar de opinião sobre o START-3 - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quarta-feira, 1 de abril de 2020

O poder do Sarmat forçou os EUA a mudar de opinião sobre o START-3


Às vésperas o Departamento de Estado dos EUA, exigiu que a Rússia incluísse o míssil balístico Sarmat e outros tipos de armas avançadas no futuro tratado START-3. Mas o que fez os americanos "orgulhosos" mudarem de idéia sobre a inconveniência de estender o tratado que termina em fevereiro de 2021? Vamos descobrir.

O fato é que a estratégia dos EUA, no caso de uma hipotética guerra nuclear, prevê a destruição de 70% dos nossos mísseis na fase de dispersão. É com esse objetivo que os sistemas de defesa antimísseis americanos estão se aproximando cada vez mais das fronteiras da Rússia. Outros 20% dos mísseis balísticos russos devem ser destruídos em órbita, o que é muito mais complicado. As demais "instalações" serão interceptadas por mísseis anti-balísticos na última fronteira, mas a eficácia desse método é de apenas 42%.

As táticas dos EUA descritas acima poderiam ser consideradas eficazes se não fosse o surgimento do mais poderoso míssil intercontinental RS-28 Sarmat (Satan 2). A aceleração ativa do Míssil termina na zona de sua própria defesa aérea, o que significa que é impossível destruí-lo nesta fase. Além disso, a presença da unidade de manobra hipersônica Avangard, que desenvolve velocidades de até Mach 27 máx, Torna o RS-28 absolutamente inatingível para os artilheiros antiaéreos americanos. “Para aperitivo”, acrescentamos a capacidade do “Sarmat” de enviar ogivas a alvos distantes, o que não nos permite prever com antecedência o local do “recebimento da encomenda”.

Como resultado, muitos especialistas americanos foram forçados a admitir que os Estados Unidos hoje não têm como interceptar o novo míssil russo. Além disso, é improvável que o "antídoto" dos "sármatas" seja encontrado nos próximos 15 anos. Assim, os "parceiros ocidentais" decidiram moderar seu ardor e retornar à diplomacia

3 comentários:

  1. O que a Rússia ganha com a renovação do tratado Start 3 se os EU saíram do tratado mais relevante, o INF?

    ResponderExcluir
  2. verdade, a Rússia não tem nada ganhar, fora que os EUA são incapazes de cumprir qualquer tipo de acordo.

    ResponderExcluir
  3. Só se Putin for muito burro de assinar isso...

    Alison Natal RN

    ResponderExcluir

Post Top Ad

Responsive Ads Here