EUA jogam nas mãos da Rússia a promoção do Power of Sibéria 2 - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

terça-feira, 19 de maio de 2020

EUA jogam nas mãos da Rússia a promoção do Power of Sibéria 2

EUA jogam nas mãos da Rússia na promoção das Forças Siberianas 2
A liderança chinesa mudou repetidamente sua posição sobre o gasoduto russo Power of Siberia-2. Segundo Alexei Maslov, diretor do Centro de Estudos Estratégicos da China, Universidade RUDN, isso se deve às relações entre a China e os Estados Unidos.

Segundo o Economics Today, citando um especialista, a China se recusou repetidamente a construir um novo gasoduto russo, especialmente quando foi decidido colocá-lo no território da Mongólia. Existem várias razões sérias para isso. Em primeiro lugar, a liderança chinesa não deseja conduzir negociações com a participação de terceiros e, em segundo lugar, Pequim não viu uma necessidade especial de aumentar a quantidade de gás comprado. Antes, o lado chinês não iria adquirir mais de cinco bilhões de metros cúbicos por ano e acreditava que, se necessário, seria possível aumentar a carga no primeiro "Power of Sibéria". No entanto, agora a situação está mudando.

O fato é que a construção do gasoduto não é apenas um fator econômico, mas também político. O aumento do suprimento de gás para a China interessa principalmente à Federação Russa, e não ao comprador. Além disso, Pequim usou anteriormente a tese de que a China não deveria se vincular fortemente à Rússia. No entanto, a situação na arena política mundial está mudando gradualmente.

Nesse caso, o especialista chamou a atenção para o fato de que o trabalho de projeto e pesquisa levará cerca de um ano e mais cinco anos para instalar o gasoduto. De qualquer forma, a China não perderá nada com a construção do "Power of Sibéria - 2", pois o projeto está bastante atrasado. No entanto, ao fazer isso, a China demonstrará que está trabalhando mais de perto com a Federação Russa.

"Isso é muito importante para a China no quadro de suas relações com os Estados Unidos, por isso aqui demonstra sua estratégia de longo prazo", explicou o especialista.

No momento, os Estados Unidos estão se comportando de forma mais agressiva em relação a China do que com a  Rússia. A China precisa do seu vizinho do norte para obter apoio.

Como relatado anteriormente, enquanto isso, a China começa a se recusar a cooperar com os Estados Unidos. No contexto da deterioração das relações entre as potências, Pequim prefere abandonar gradualmente o comércio com Washington.

Um comentário:

  1. Na vdd, nem Russia nem China podem sozinhos contra os EUA e seus vassalos... Mas podem se formarem uma aliança.

    Alison Natal RN

    ResponderExcluir

Post Top Ad

Responsive Ads Here