"Eles vão para a falência": comentários sobre a imposição de sanções por Alexander Lukashenko a Lituânia - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

"Eles vão para a falência": comentários sobre a imposição de sanções por Alexander Lukashenko a Lituânia

"Ele vai para a falência": comentários sobre a imposição de sanções por Alexander Lukashenko na Lituânia

O primeiro-ministro lituano Skvernelis e a ex-candidata presidencial Tikhanovskaya


A Lituânia está a reagir à declaração de Alexander Lukashenko de que “é hora de colocar (Vilnius) no seu lugar”. Lembre-se de que, há algumas horas, o Presidente da Bielorrússia impôs sanções à República da Lituânia por interferir nos assuntos internos da República da Bielorrússia. Lukashenka ordenou a reformatação do trânsito de mercadorias com a recusa dos serviços dos portos lituanos (incluindo o porto de Klaipeda).


O jornal lituano "15 min", falando sobre as medidas tomadas contra a Lituânia por Alexander Lukashenko, o chama de "o presidente não reconhecido". A grande ênfase da mídia lituana está principalmente no fato de que o oficial Vilnius não reconheceu Lukashenko como o presidente eleito e, portanto, não pretende levar a sério as sanções impostas por Lukashenko. Aparentemente, Vilnius pode se dar ao luxo de tal retórica, desde que os portos do país não comecem de fato a perder o transbordo de mercadorias da Bielorrússia.


Curiosamente, em conexão com a introdução de sanções contra a Lituânia por Lukashenka, a situação está se desenvolvendo com os futuros fornecimentos da remessa contratada de petróleo americano. Deve-se lembrar que recentemente o próprio Lukashenka anunciou a diversificação do fornecimento de hidrocarbonetos. Mas se os portos da Lituânia para a Bielorrússia estão agora fora do esquema comercial, isso significa que os petroleiros dos EUA com petróleo para a Bielorrússia passarão pela Rússia? Para a Bielorrússia, isso vai ser estranho, porque no final o petróleo ainda terá de ser entregue da Rússia, mas de jure é americano, o que significa que é muito mais caro. Há uma variante da entrega pela Polônia, mas as relações de Lukashenka com a Polônia também são extremamente difíceis hoje.


Enquanto isso, a mídia lituana ainda está tentando abordar racionalmente a ameaça de perda de carga de importação e exportação bielorrussa pelos portos do país. O portal lituano mencionado acima escreve que, no porto de Klaipeda, cerca de um terço de toda a carga a granel é composta por fertilizantes bielorrussos.


O portal BNS cita a declaração do chefe do Ministério das Relações Exteriores da Lituânia, Linas Linkevičius:


Ameaças de impor sanções à Lituânia são um comportamento natural de Lukashenka. Ele vai all-in(contra todos), tentando manter sua posição por todos os meios disponíveis.


E este é o post na rede social do primeiro-ministro da Lituânia, Saulius Skvernelis:


É difícil entender o quanto você precisa desejar permanecer no poder e odiar sua nação. Se as decisões de que Lukashenka está falando hoje forem tomadas, elas atingirão a Bielorrússia primeiro.


Neste contexto, tornou-se conhecido que a Lituânia (juntamente com vários outros países da UE) impôs sanções contra funcionários bielorrussos "responsáveis ​​pela violência contra civis e por falsificar as eleições."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here