O complô do "golpe russo" na Bielorrússia foi falsificado pela Ucrânia - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

O complô do "golpe russo" na Bielorrússia foi falsificado pela Ucrânia

Arrest of 33 'Russian mercenaries' in Belarus may have been ...

Moon of Alabama

Em meados de junho, informamos que os Estados Unidos estão preparando uma 'revolução das cores' na Bielo-Rússia. Uma subparte dessa operação foi revelada. Foi projetada para denegrir a Rússia aos olhos da população bielorrussa e de seu presidente.

Nos últimos anos, o presidente Aleksandr G. Lukashenko tentou se distanciar da Rússia e obter alguns benefícios do Ocidente:

Mas chegar mais perto do 'oeste' também tem um preço. Um embaixador dos EUA na cidade significa que os planos de mudança de regime nunca estão longe. A repentina atenção que a Bielorrússia agora recebe de organizações alinhadas com os EUA é um sinal claro de que uma está em andamento.

Em 9 de agosto, a Bielorrússia realizou eleições presidenciais. Lukashenko fará o possível para vencer novamente(venceu).

As revoluções coloridas geralmente são lançadas em eleições controversas. Os resultados são publicamente postos em dúvida antes mesmo do início das eleições. Quando os resultados finalmente chegarem, a mídia ocidental afirmará que eles divergem da expectativa criada e, portanto, devem ter sido falsificados. As pessoas serão empurradas para as ruas para protestar. Para aumentar o caos, alguns atiradores de elite podem ser postos a trabalhar para disparar contra a polícia e contra os manifestantes, como foi feito na Ucrânia. A revolta termina quando ele é retirado ou quando o candidato favorito dos EUA é escolhido.

No ano passado, o Fundo Nacional para a Democracia dos Estados Unidos financiou pelo menos 34 projetos e organizações na Bielorrússia. Os EUA não fazem isso por caridade, mas para colocar o dedo na balança.

Os EUA parecem ter pelo menos dois candidatos na disputa. ...

Ambos os candidatos foram destituídos por Lukashenko. Mas Svetlana G. Tikhanovskaya, esposa de um dos candidatos preso, é agora apresentada no New York Times como a grande nova esperança:

No passado, Lukashenko, que comanda um grande e frequentemente brutal aparato de segurança, nunca teve vergonha de demonstrar que pode esmagar qualquer dissidência. Mas desta vez ele parece encurralado, com comícios de oposição em Minsk e cidades menores atraindo até dezenas de milhares de pessoas.

Na quinta-feira, milhares foram ao jardim público de Kiev em Minsk para apoiar Svetlana G. Tikhanovskaya, uma candidata cuja plataforma consistia em um ponto: livrar-se de Lukashenko. As pessoas acenaram, aplaudiram e gritaram para o presidente: “Vá embora!”

“As pessoas simplesmente perderam a paciência”, disse Nikita, 27, que não quis revelar seu sobrenome, citando o temor de repercussões em seu trabalho, em uma operação administrada pelo Estado.

Como parte do esquema de 'revolução das cores', os EUA também introduziram um elemento anti-russo no jogo. Em 29 de julho, o governo de Lukashenko anunciou que havia detonado uma curiosa operação "russa":

Escalando uma rivalidade com a Rússia, seu vizinho e aliado de longa data, a Bielorrússia na quarta-feira acusou mais de 200 mercenários da Rússia, disfarçados de turistas, infiltrados na Bielorrússia em uma missão para interromper sua eleição presidencial.

Relatos de uma força mercenária russa na Bielorrússia, que não puderam ser confirmados independentemente, seguiram-se a meses de trocas cada vez mais mal-humoradas entre Minsk e Moscou, aliados próximos que costumavam ser unidos por sua desconfiança em relação ao Ocidente, mas agora intensamente cautelosos um com o outro.
...
 

Sr. Lukashenko tem um longo histórico de culpar os estrangeiros por seus problemas, mas apenas recentemente voltou sua máquina de propaganda contra a Rússia, ao invés de potências ocidentais como os Estados Unidos, anteriormente seu alvo favorito.

Belta, a agência oficial de notícias da Bielorrússia, publicou os nomes e datas de nascimento de 32 combatentes russos detidos, descritos como funcionários do Grupo Wagner, uma empresa de recrutamento de mercenários ligada a Yevgeny Prigozhin, um antigo associado do presidente Vladimir V. Putin da Rússia.
...
Na quarta-feira, o governo divulgou um vídeo de uma operação noturna desta semana em um sanatório perto de Minsk, onde 32 combatentes russos foram presos; outro foi preso em outra parte do país. O vídeo apresentava oficiais fortemente armados do serviço de segurança da Bielorrússia - ainda chamado, como nos dias soviéticos, de KGB - invadindo quartos de hóspedes ocupados pelos supostos mercenários. Mostrava vários russos musculosos algemados, um deles caído no chão com cuecas boxer, passaportes russos e uma pilha de notas de $ 100.

A história parecia estranha para mim naquela época. Não se contrata mercenários estrangeiros para motins pós-eleitorais, mas sim bandidos locais. Essa operação também não se encaixaria no estilo em que o governo russo costuma atuar. A denúncia que prendeu os homens veio do serviço secreto ucraniano, o SBU.

Hoje ficamos sabendo o que realmente aconteceu.

Os mercenários presos não trabalhavam para o Wagner. Eles foram contratados diretamente pelo que acreditavam ser um homem que trabalhava para o conglomerado de petróleo russo Rosneft. Eles não estavam na Bielorrússia para intervir na sua eleição. Eles deveriam ser guardas dos campos de petróleo da Rosneft na Síria e na Venezuela. Eles estavam esperando por um vôo para a Turquia, de onde seriam transportados para seu destino final. Isso é pelo menos o que os homens acreditavam.

Mas a contratação foi feita por homens de frente dos serviços secretos ucranianos e a história que os homens ouviram era mentira.

Essa versão de sua aventura foi revelada hoje pelo tablóide russo kp.ru (tradução automática ligeiramente editada):

Em 29 de julho, 33 russos foram detidos em Minsk. Todos eles foram batizados de destacamento de PMCs, uma empresa militar privada "Wagner", acusada de "preparar-se para participar de motins em massa" e de se filiar aos candidatos da oposição local Sergei Tikhanovsky e Nikolai Statkevich, detidos anteriormente. A maior parte desse grupo lutou no Donbass ao lado da milícia, e Kiev já exigiu sua extradição. Enquanto isso, uma auditoria abrangente das agências de aplicação da lei russas mostra que aqueles que decidiram ganhar dinheiro extra enquanto guardavam no exterior ... foram simplesmente usados ​​no escuro.

De acordo com nossa fonte nos serviços especiais russos, o recrutamento do grupo começou com uma ligação da Síria. Um certo "Sergei Petrovich" chamou os primeiros (isso é importante) homens do chamado PMC "Wagner" com uma oferta tentadora de trabalhar na proteção das instalações de petróleo na Síria.

Ao mesmo tempo, os telefones celulares exibiam o código da República Árabe (+ 963-931-42-562), mas, como se descobriu mais tarde, o número era virtual. Não está registrado em redes celulares, sua localização é impossível de determinar, apenas as chamadas de saída estão disponíveis a partir dele.

A história é bastante longa, mas bem documentada. Pessoas que alegaram trabalhar para o conglomerado de petróleo russo Rosneft, mas usaram um domínio Rosneft falso para seus e-mails, contrataram veteranos ucranianos / russos que lutaram no lado pró-russo na guerra civil na Ucrânia.

Os homens foram informados de que guardariam campos de petróleo na Síria e na Venezuela. Eles receberam algum dinheiro e receberam passagens preparadas para um voo de Minsk para a Turquia. Esses bilhetes foram reservados por uma agência de viagens ucraniana em Kiev, que parece ter sido criada exclusivamente para esse fim. Mas quando os mercenários chegaram à Bielorrússia, foram informados de que o vôo havia sido cancelado. Eles foram colocados em um hotel local e orientados a esperar alguns dias por outro vôo.

O serviço secreto ucraniano então informou a Lukashenko que um grupo de mercenários russos estava em seu país para lançar um golpe durante as próximas eleições. Lukashenko reconheceu publicamente que as informações sobre o grupo vieram da Ucrânia. A Bielorrússia prendeu os homens e a Ucrânia imediatamente exigiu sua extradição.

conta segundo o kp.ru foi confirmada pelo escritório da Turkish Airlines em Moscou. Vários outros detalhes também foram verificados pelo jornal e parecem estar corretos. A história faz sentido. A peça conclui (tradução automática):

Como resultado, pode-se afirmar que os serviços especiais ucranianos conseguiram criar um projeto falso, no qual envolveram 180 cidadãos russos, enquanto incluíam no primeiro grupo os veteranos de guerra do Donbass. Ao mesmo tempo, é possível admitir que toda a história fascinante e instrutiva foi trazida ao lado bielorrusso de uma forma muito truncada - sem detalhes sobre passagens aéreas. Ao longo de toda essa operação, a SBU parece ter pretendido matar vários pássaros com uma pedra - o onipresente, pesadelo e terrível PMC Wagner deveria ricochetear na Rosneft - uma das maiores empresas russas, mas o golpe principal, sem dúvida, era nas relações russo-bielorrussas. Sem falar na possível extradição de cidadãos russos para a Ucrânia,

De acordo com nossas informações, todo o material referente a toda essa operação especial já foi transferido para a Comissão de Investigação, que, como disse nosso interlocutor, fará um julgamento processual dessa "declaração".

Só podemos esperar que Minsk também olhe atentamente para eles.

investigação do kp.ru causou grande impacto na mídia de língua russa. Certamente ecoará na Bielorrússia e na Ucrânia.

Lukashenko deve ter cuidado com tudo o que vem da Ucrânia. Se houver uma tentativa de usar as eleições de 9 de agosto para criar o caos ou um golpe, o perigo certamente não virá de Moscou, mas de Kiev. Desde o golpe do Maidan de 2014, a CIA incorporou-se ao serviço secreto ucraniano. Ele sabe como esses golpes são feitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here