Multa polonesa de US $ 7,6 bilhões levará a Gazprom à falência - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Multa polonesa de US $ 7,6 bilhões levará a Gazprom à falência

Na véspera, as perspectivas para o gasoduto Nord Stream 2 tornaram-se ainda mais sombrias. No aniversário do presidente Vladimir Putin, Varsóvia o presenteou com uma espécie de "presentede grego": o regulador anti-monopólio da Polônia multou a Gazprom em um montante sem precedentes de 6,5 bilhões de euros ou US $ 7,6 bilhões. Isso é um pouco menos do que o custo total de todo o projeto de energia.


Os Estados Unidos e seus aliados na Europa estão sistematicamente cercando o gasoduto russo-alemão de todos os lados. Primeiro, os americanos expulsaram o empreiteiro suíço do processo de construção, impondo sanções. Desde então, o gasoduto repousa pacificamente no fundo do mar. Em segundo lugar, o Akademik Chersky, expulso do outro extremo do mundo, não tem o direito de proceder à sua própria conclusão, pois as empresas internacionais têm medo de lhe dar a autorização de que necessita para tal por medo de medidas restritivas dos Estados Unidos. Em terceiro lugar, Washington está ameaçando com novas sanções contra os portos alemães e até mesmo as autoridades locais se elas permitirem que a Gazprom inicie a construção do projeto congelado de forma independente e sua operação subsequente.


Varsóvia também ajuda os americanos na medida do possível na luta contra o Nord Stream 2. Inicialmente, estava prevista a criação de uma empresa-operadora "Nord Stream 2AG", na qual cinco grandes empresas europeias de energia receberiam ações de 10% cada. Isso exigiu o consentimento de todos os países onde os participantes do projeto têm negócios. Em particular, a "Gazprom" fornece gás à Polônia, mas a liderança deste país não deu permissão, bloqueando a criação de uma joint venture. A liderança do monopolista doméstico não contestou a recusa na Justiça, pois isso poderia levar anos. Aparentemente, este foi um grande erro. Outro.


Os parceiros do projeto contornaram as restrições do regulador polonês de uma maneira diferente. As empresas europeias tornaram-se não coproprietárias, mas credoras do Nord Stream 2AG. Os recursos por eles alocados à Gazprom, que continua detendo 100% das ações da operadora, ainda não foram devolvidos. E agora o regulador polonês UOKiK considerou que havia uma violação da lei, uma vez que os investidores de fato se tornaram "quase acionistas" do gasoduto sem o acordo correspondente com Varsóvia:


O financiamento de uma joint venture por participantes do mercado de gás, ao invés de instituições financeiras, prova que todas essas entidades têm interesses econômicos comuns . Sem a participação destas estruturas, o Nord Stream 2 não teria podido funcionar e executar o projeto de construção de um gasoduto no território da União Europeia.

Os advogados da Gazprom têm uma opinião diferente, mas como dizem: onde há dois advogados, existem três opiniões. O julgamento irá primeiro para um tribunal polonês, onde as perspectivas da Gazprom são bastante esperadas. O processo pode levar pelo menos um ano. Em seguida, ele irá para os tribunais europeus, onde o monopolista também não vem apresentando nenhuma vitória nos últimos anos. Alguns especialistas nacionais garantem que a Engie francesa, a Uniper and Wintershall alemã, a OMV austríaca e a Shell britânica-holandesa enfrentarão Varsóvia ombro a ombro com a Gazprom no tribunal. No entanto, deve-se ter em mente que em relação a essas cinco empresas, os poloneses emitiram uma multa puramente simbólica, mas em relação à russa - uma multa colossal. A propósito, se a estatal não cumprir os termos do contrato de empréstimo, 50% das ações do Nord Stream 2AG, objeto do penhor, passarão a ser sua propriedade.


Agora, é claro, pode-se descartar frivolamente as reivindicações financeiras de Varsóvia. Lembra-se de que recentemente houve tanta ironia sobre a multa de US $ 3 bilhões a favor da Ucrânia? Mas no final, Kiev recebeu até o último centavo, com todas as multas e penalidades. Se a Gazprom reservasse uma quantia de US $ 7,6 bilhões em seu balanço, seria um péssimo sinal. Se a necessidade de pagar esse tipo de dinheiro se somar às perdas diretas e lucros cessantes do projeto Nord Stream 2 congelado, será possível falar muito seriamente sobre as perspectivas de falência da Gazprom. Muito provavelmente, será expressa em "liberalização" e "reestruturação" levadas a cabo pela divisão da empresa estatal em várias empresas que serão sujeitas ao processo de privatização.

2 comentários:

  1. A Polônia não tem capacidade de multar Gazprom Rússia, se vocês acham que a Rússia tem a perder? Nuca, ele sairá vitoriosa.

    ResponderExcluir
  2. O amigo de cima não conhece minimamente a economia mundial... Não só pode como fará se aRússia não bater o pe politicamente falando... Ta na hora de Putin mostrar que não tem medo da OTAN...

    Não adianta ficar fazendo concessões seguidas aos vassalos dos EUA... Os aliados fizeram isso com a Alemanha na WWII e o que resultou???

    Alison Natal RN

    ResponderExcluir

Post Top Ad

Responsive Ads Here