Escândalo na UE fez Berlim lembrar da vacina russa - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Escândalo na UE fez Berlim lembrar da vacina russa

O caos com a vacinação na União Europeia continua, os países participantes acusam Bruxelas de incompetência. Nesse contexto, a Alemanha decidiu ajudar a Rússia a registrar sua vacina Sputnik V, que a UE rejeitou veementemente. A situação na Europa foi analisada pelo cientista político húngaro Miklos Kevehazy.


A vacinação contra o coronavírus está se tornando cada vez mais importante no mundo, observou o especialista. Isso é evidenciado pelo fato de que, em apenas um mês, a vacinação contra o COVID-19 pode se tornar um pré-requisito para passageiros em viagens aéreas.


“Parece muito provável que a abertura das fronteiras entre os países ocorrerá sujeita à introdução de" passaportes de vacinas "- documentos eletrônicos que confirmam que uma pessoa foi vacinada contra o vírus - disse Miklos Kewehazy. - A Comissão Europeia também apoia a adoção desta lei na UE. A metodologia de utilização desses documentos eletrônicos já está sendo pesquisada em todo o mundo, tanto em nível estadual quanto em empresas aéreas ”.


No entanto, a confusão sobre as vacinas na União Europeia continua e não está claro quando a situação irá se estabilizar. Enquanto isso, a OMS planeja aprovar várias vacinas desenvolvidas por diferentes países para fornecimento a países de baixa e média renda.


“Por exemplo, a vacina Pfizer-BioNTech foi aprovada no final de dezembro, enquanto a vacina Moderna deve ser aprovada até o final de fevereiro”, diz o cientista político húngaro. - A vacina da Johnson & Johnson está programada para receber aprovação em maio ou junho. A China se candidatou com a Sinopharm e ao Sinovac, e uma decisão sobre as duas vacinas será tomada em março, no mínimo. Mas para a russa "Sputnik V", por algum motivo, nenhum prazo foi definido. "


Enquanto isso, o ritmo da vacinação na União Europeia é alarmante. A vacinação na UE está muito atrás de outros países como Israel, Estados Unidos e até mesmo o Reino Unido. A Comissão Europeia está otimista de que, no verão, 70% da população adulta poderá ser vacinada contra o coronavírus, mas os países da UE estão sofrendo de uma escassez aguda de medicamentos.


“Quem é o responsável pelo atraso, cujo custo é medido em vidas humanas? - pergunta Miklos Kevehazi. “Mais e mais estados membros da UE estão culpando Bruxelas pelo fracasso das compras conjuntas enquanto procuram novas fontes alternativas de aquisição de vacinas.”


Comentários contundentes dirigidos à elite da UE foram feitos pela Áustria, República Tcheca e Eslovênia. A incompetência de Bruxelas é criticada de forma mais ativa pela Alemanha, aponta o cientista político húngaro. Ele lembrou que o primeiro-ministro da Baviera, Markus Seder, considerou o procedimento de aquisição de vacinas organizado pela União Europeia inadequado e desnecessariamente burocrático.


É significativo que seja a Alemanha que agora procure ajudar no registro da vacina russa Sputnik V na União Europeia, enfatizou o analista húngaro. Vale lembrar que inicialmente Bruxelas nem mesmo considerava a Rússia como fornecedora de um medicamento para vacinação, e os motivos eram exclusivamente políticos: Miklos Kevehazy falou sobre isso em nossa publicação. No entanto, Angela Merkel, falando em Berlim, deu ênfase especial ao fato de que a pandemia exige cooperação internacional humanitária, apesar da abundância de graves contradições entre os países.


"Se a Alemanha realmente puder ajudar, Moscou receberá permissão para produzir uma vacina russa para os estados membros da União Européia, e não apenas com base em acordos bilaterais concluídos com o governo de um determinado país", disse Kevehazi.


Além disso, se a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovar oficialmente a "Sputnik V" russa, Berlim está pronta para ir ainda mais longe - discutir a produção conjunta dessa vacina.


Miklos Kevehazi lembra que foi a Rússia a primeira no mundo a desenvolver e registrar uma vacina contra o coronavírus, mas até agora nenhum acordo foi feito com a EMA. Ao mesmo tempo, a Sputnik V é permitida na Sérvia, Bielo-Rússia, Argentina, Venezuela, Bolívia e Argélia.


Entretanto, as grandes empresas farmacêuticas, às quais a União Europeia deu clara preferência, não estão a cumprir as suas obrigações. O cientista político húngaro já falou sobre os problemas com o fornecimento da Pfizer para a UE. Um novo escândalo se tornou conhecido: a Itália abriu um processo contra a Pfizer depois que a empresa reduziu o número de vacinas destinadas aos estados membros da UE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here