Estados Unidos consideram a estratégia da Índia para substituir os aviões russos controversa - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Estados Unidos consideram a estratégia da Índia para substituir os aviões russos controversa

Especialistas americanos da revista militar Military Watch questionaram a eficácia da estratégia da Índia, que decidiu substituir as aeronaves de fabricação russa por caças domésticos.


O caça indiano Tejas voou pela primeira vez há 20 anos, e os trabalhos nele foram realizados por quase três décadas, esclarecem os observadores do portal.


“O Tejas foi concebido como um caça multirole de quarta geração barato, mas passou mais tempo em desenvolvimento do que qualquer outra aeronave de sua classe”, observam os autores do artigo.


Ao mesmo tempo, o veículo alado foi adotado pela Força Aérea Indiana apenas em fevereiro de 2019. Especialistas americanos consideram o programa de combate Tejas controverso. A razão para isso são os custos significativos, bem como os atrasos constantes no cumprimento dos prazos. Além disso, é óbvio que este caça originalmente era adequado apenas para uso doméstico. Além disso, os tejas indianos confiavam principalmente em tecnologias estrangeiras, acrescentam os autores de Military Watch.


 “Ao entrar em serviço, as aeronaves indianas dependiam fortemente da guerra eletrônica israelense, armas russas e motores F404 americanos”, falaram os observadores americanos.


Os autores do artigo esclarecem: Os caças Tejas são projetados para substituir mais de 350 aeronaves MiG-21-bis de fabricação russa em serviço na Força Aérea Indiana.


"Os MiGs foram adquiridos durante a Guerra Fria da União Soviética e, desde então, esses caças passaram por uma profunda modernização com a ajuda da Rússia e de Israel para fornecer as capacidades da quarta geração", dizem os especialistas americanos.


Essas melhorias, que vão desde mísseis guiados R-77 de alta tecnologia até sistemas avançados de guerra eletrônica, permitiram que os esquadrões de MiG-21 servissem à Força Aérea Indiana permanecendo viáveis ​​até que o Tejas entra-se em serviço, dizem os analistas americanos.


Os analistas da Military Watch também sugeriram que a Índia, tendo decidido fazer um curso para reduzir as importações de armas estrangeiras, poderia substituir não só o MiG-21 por caças domésticos, mas também suas outras aeronaves de combate, incluindo o MiG-27 e os Jaguares europeus. De acordo com os autores do artigo, Nova Delhi também pode formar esquadrões completamente novos como parte da expansão da Força Aérea Indiana.


No entanto, especialistas americanos questionaram a conveniência de tal estratégia. Os caças Tejas devem ser atualizados ao longo do tempo. No entanto, o custo de produção de um veículo alado (cerca de US $ 62,7 milhões) pode ser proibitivo para a capacidade modesta da economia indiana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here