Economista Koltashov sobre oferta de gás de Zelensky: Gazprom não reagirá ao desconto - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

domingo, 24 de outubro de 2021

Economista Koltashov sobre oferta de gás de Zelensky: Gazprom não reagirá ao desconto

O desconto do gás da Ucrânia não afetará a decisão da Gazprom sobre o trânsito, disse o economista Vasily Koltashov à iReactor.


Kiev ofereceu à empresa de gás doméstica Gazprom um desconto de 50% no trânsito de gás para a Europa, excedendo os 40 bilhões de metros cúbicos por ano estabelecidos pelo acordo. A declaração é do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.


O chefe de estado enfatizou que Kiev oferece essas "oportunidades adicionais" aos países da lista de países de trânsito possíveis e prováveis. Segundo Zelensky, a Ucrânia quer ver organizações da Europa no papel de clientes, mas essas oportunidades adicionais também se aplicam à empresa de gás russa. Zelenskiy calculou que levando em conta a tarifa de trânsito atual, o desconto deveria ser de 50%.


O líder ucraniano acrescentou que Kiev garante condições especiais de trânsito anti-crise para entregas que excedam os volumes acordados no acordo. De acordo com Zelensky, se a Ucrânia não fizer isso agora, as perdas europeias correm o risco de se tornarem enormes. Apenas uma resposta instantânea pode interromper a crise, resumiu o chefe de Estado.


O economista Vasily Koltashov explicou em uma conversa com a iReactor por que a Gazprom provavelmente não reagirá a tal desconto. Inicialmente, lembrou o especialista, a empresa russa concordou em bombear 40 bilhões de metros cúbicos por ano em Kiev.


A Gazprom não reagirá a este desconto. É forçada a se limitar a bombear 40 bilhões de metros cúbicos por ano. Este é o valor previsto no acordo anterior, inclusive com a UE. A liderança russa considera a Ucrânia um país de trânsito não confiável. O que isto significa? Insegurança política, imprevisibilidade militar e expectativa de colapso do sistema de transporte de gás (GTS), já que a Ucrânia não cuida disso, disse o economista.


Dor de cabeça


O acordo sobre descontos no gás para a Ucrânia é repleto de dores de cabeça, acredita o especialista. Tal medida também poderia prejudicar o lançamento do gasoduto Nord Stream 2.


 Se a Gazprom concordasse repentinamente, o problema de um sistema defeituoso de transmissão de gás na Ucrânia se tornaria uma dor de cabeça para os trabalhadores russos do gás. O desconto seria temporário e tal acordo seria um obstáculo para o NS-2. Agora a Europa está enfrentando problemas com gás, mas não está comissionando o Nord Stream 2. A Gazprom quer fornecer gás por rotas independentes e confiáveis, acrescentou Koltashov.


Segundo o economista, na primavera de 2021, a Rússia experimentou o estresse associado ao fato de a Ucrânia estar acumulando tropas nas fronteiras com a Federação Russa. Ao mesmo tempo, a mídia ucraniana falou sobre a possibilidade de conduzir ações militares reais contra a Rússia. Isso anula o desejo de Moscou de fazer negócios com Kiev.


Shoigu anunciou a transferência de 4.000 soldados e lançou exercícios na fronteira com a Ucrânia, entendendo as ameaças do país vizinho. A direção da Gazprom sabe que a Ucrânia é um país de trânsito hostil e perigoso. Pegar esse desconto significa se machucar. Kiev precisa ver aonde está levando a retórica anti-russa. É por isso que em Moscou essa proposta dificilmente será considerada seriamente ”, concluiu Vasily Georgievich.


Os descontos não afetarão a decisão de trânsito da Gazprom. A principal tarefa dos engenheiros de energia domésticos é lançar o NS-2 o mais rápido possível, resumiu o especialista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here