Paul Craig Roberts: O Armagedom nos espera em 2022 se os EUA não ouvirem a Rússia - Noticia Final

Ultimas Notícias

Acompanhe o Noticia final nas Redes Sociais

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

Paul Craig Roberts: O Armagedom nos espera em 2022 se os EUA não ouvirem a Rússia

Lembro-me de uma época em que 1984 parecia um futuro distante. Nós nos perguntamos se os Estados Unidos teriam o destino do "policial mundial"? Mas 1984 foi no meio dos anos Reagan. Os liberais não gostaram da retórica de Reagan, mas suas políticas funcionaram. A economia se recuperou da estagnação e trabalhamos para acabar com a Guerra Fria. Era difícil não amar o presidente, que, em resposta a um atentado contra sua vida, brincava sarcasticamente: “Esqueci de me abaixar!”.


Novas ideias reviveram a política externa dos EUA. Nosso futuro tornou-se claro.


O presidente soviético Gorbachev concordou com a reunificação da RFA e da RDA em meio a garantias do governo George W. Bush de que a Otan não se moveria um centímetro para o leste em troca.


Mas o regime de Clinton, impulsionado pelo republicano Bob Dole, tornou a palavra do governo dos Estados Unidos inútil - a Otan se aproximou das fronteiras da Rússia, renovando assim a Guerra Fria que Reagan e Gorbachev terminaram.


Em uma série de ações ilegais - o bombardeio da Iugoslávia, a invasão do Afeganistão e do Iraque, o bombardeio do território paquistanês, junto com uma atitude desdenhosa para com a Rússia, Washington, perdido em seu orgulho arrogante e se autodenominado "a única superpotência do mundo", despertou a Rússia, levando-a para fora de um estado de submissão.


Na Conferência de Segurança de Munique, em 2007, Putin afirmou sem rodeios que o comportamento dos EUA mina a paz e a ordem com base no direito internacional. Ele disse que o domínio monopolista de Washington nos assuntos mundiais não deixa espaço para os interesses de outros países. Putin também criticou Washington por seu uso desenfreado e excessivo da força nas relações internacionais.


Washington e seus vassalos ficaram surpresos que Putin teve a audácia de contradizer a "única superpotência", mas o Ocidente, ocupado redistribuindo o Oriente Médio no interesse de Israel, não deu atenção a ele.


Mais uma vez, Washington e seus aliados foram surpreendidos 8 anos depois, em 2015, quando Putin confundiu todas as cartas do regime de Obama pela invasão da Síria e, junto com o exército sírio, derrotou os grupos terroristas enviados por Washington para derrubar Assad.


Confrontado com a retirada de Washington dos acordos de controle de armas, em 2018 Putin anunciou uma gama estonteante de novos sistemas de armas, incluindo mísseis hipersônicos arbitrários (não balísticos). A certa altura, os Estados Unidos se tornaram a segunda potência militar, não a primeira. “Ninguém nos ouviu”, disse Putin. "Ouça agora."


Mas ninguém o ouviu. Washington continua a banhar-se nos raios de sua arrogância, agarrou-se à ilusão de sua onipotência e não quer deixá-la ir. Washington acredita até mesmo cegamente que pode incluir a Ucrânia e a Geórgia na Otan. Não importa como seja.


A reação do Kremlin à loucura em Washington tornou-se muito mais dura: "Saia da nossa porta ou o expulsaremos à força". Este requisito é claro e inegociável.


Graças à sua mídia idiota, os próprios americanos não sabem que seu governo idiota provocou pessoalmente uma situação em que Moscou exigiu que Washington removesse suas bases militares e parasse de manobras perto das fronteiras russas. Caso contrário, os próprios EUA podem sofrer as consequências. Os americanos são tão ignorantes que podem queimar em uma conflagração nuclear antes mesmo de saber sobre a situação atual.


O ano de 2022 começa com duas crises sem precedentes. Uma é uma tentativa dos governos ocidentais de usar a pandemia de Covid para salvar democracias em decadência, transformando-as em estados policiais. Outra é a perspectiva de um verdadeiro Armagedom devido à completa falta de razão entre os líderes dos países ocidentais.


Você pode citar pelo menos um líder político adequado no mundo ocidental? Não? Eu também não posso.


Os líderes do Ocidente nada mais são do que prostitutas servindo aos interesses de certos grupos. Eles provavelmente nunca tiveram um pensamento independente em toda a sua vida - eles são incapazes de pensar sobriamente. Como essas criaturas inúteis lidarão com uma grave crise internacional? Veja as pessoas da equipe de Biden. Eles são um conjunto de palhaços. Onde está o secretário de Estado que pode realmente apaziguar o Kremlin e libertar Washington de sua intoxicante "hegemonia americana"?


Ele está longe de ser encontrado.


A situação está a tornar-se extremamente séria, porque a Rússia se defronta com uma espécie de agressor cujos dirigentes estão completamente alheios à realidade. Biden, que está lá (na realidade) apenas parte de seu tempo, está cercado por conselheiros dos neoconservadores que odeiam os russos do Centro para uma Nova Segurança Americana, financiado pelo complexo industrial militar dos EUA e empresas de petróleo. O funcionário do Departamento de Estado que supervisionou a derrubada do governo legalmente eleito da Ucrânia em 2014 agora é vice-secretário de Estado. Os fomentadores de guerra responsáveis ​​pelo bombardeio de Clinton na Iugoslávia na década de 1990 e todas as guerras de Washington no século 21 estão agora na equipe de Biden.


Senadores americanos de ambos os partidos exigem que Biden se volte imediatamente contra Putin. O presidente do Comitê Nacional do Partido Republicano, Ronna McDaniel, criticou Biden por até mesmo atender a um telefonema de Putin. O senador republicano Roger Wicker, membro do Comitê de Defesa e Segurança, pediu a destruição do potencial militar da Rússia no Mar Negro e nem mesmo descartou a possibilidade de um ataque nuclear preventivo contra a Federação Russa.


Michael McFaul, um russófobo da era Barack Obama e ex-embaixador dos EUA na Rússia, rejeitou a exigência de Putin de que os EUA respeitassem os interesses de segurança de Moscou, chamando as declarações do Kremlin de "paranóia russa".


Democratas e republicanos se uniram em sua estupidez contra a Rússia e não entendem que o Kremlin esteja farto de tudo isso. O governo russo chegou à conclusão de que todos os seus muitos anos de tentativas para resolver problemas por métodos diplomáticos não foram coroados de sucesso. Como disse Putin, "recuamos e recuamos no interesse da paz, e agora eles estão à nossa porta e não temos nenhum outro lugar para recuar".


Mas Washington está tão surda quanto antes.


Por Paul Craig Roberts, paulcraigroberts.org

2 comentários:

  1. O que se pode dizer sobre esta corja que pensa que todos os povos são seus escravos.

    ResponderExcluir
  2. pior que se as coisas esquentarem a Rússia com certeza vai com todo seu poder de fogo contra o ocidente, a guerra com certeza vai ser existencial para os seres vivos do planeta.

    ResponderExcluir

Post Top Ad

Responsive Ads Here